Documento com tempos padrão para consultas em discussão pública

por Teresa Mendes | 11.02.2019

Proposta da OM define tempos para mais de 60 especialidades 
A Ordem dos Médicos (OM) quer acabar com a sobreposição de horários na marcação das consultas e duplicar, ou mesmo triplicar, o tempo padrão de cada consulta. Para o efeito, elaborou um documento com os tempos que considera serem os recomendados, que entra em discussão pública esta segunda-feira, quando se assinala o Dia Mundial do Doente.

«A necessidade de fixar estes tempos de referência não oferece qualquer dúvida à Ordem dos Médicos.
Não é possível aceitar como inevitável a sobrecarga que atualmente se verifica nas consultas, agendadas com diferenças de escassos minutos, quando não sobrepostas, prejudicando as boas práticas clínicas e a qualidade da assistência ao doente», salienta o preâmbulo do documento.

A proposta, que será colocada em consulta pública durante 30 dias, está aberta aos contributos de todos os médicos e de todos os cidadãos portugueses, apresentando tempos padrão para mais de 60 especialidades. 

«Não é possível aceitar como inevitável a sobrecarga que atualmente se verifica nas consultas, agendadas com diferenças de escassos minutos, quando não sobrepostas, prejudicando as boas práticas clínicas e a qualidade da assistência ao doente», salienta o preâmbulo do documento

A título de exemplo, a proposta considera que as primeiras consultas feitas pelos médicos de família devem ter uma duração padrão entre os 30 e os 45 minutos. 
De acordo com aquele organismo, este é «um ponto de partida para uma fundamentação tão consensual quanto possível». 

Posteriormente, o documento será apresentado, discutido e votado em Assembleia de Representantes da Ordem dos Médicos, sendo de seguida publicada a versão final do documento como Regulamento desta Ordem na 2.ª série do Diário da República.

A publicação foi desenvolvida com os contributos dos colégios das especialidades e competências e das secções de subespecialidade da Ordem dos Médicos, que «aponta o caminho de uma ponderação técnica e científica na definição dos tempos de consulta».

19tm07c
11 de Fevereiro de 2019
1907Pub2f19tm07c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primária...

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a As...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Instituto de Medicina Legal passa a realizar autópsias aos fins-de-semana e...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou nesta quinta-feira a proposta de lei que permite ao Instituto N...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Fisioterapeutas contra regulamento do Acto Médico

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (Apfisio) está contra o projeto de regulamento do Acto Mé...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

 Luís Martins Amaro nomeado novo presidente do Hospital Garcia de Orta

O actual diretor executivo do agrupamento de centros de saúde Almada-Seixal, Luís Manuel Martins Ama...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.