Documento com tempos padrão para consultas em discussão pública

por Teresa Mendes | 11.02.2019

Proposta da OM define tempos para mais de 60 especialidades 
A Ordem dos Médicos (OM) quer acabar com a sobreposição de horários na marcação das consultas e duplicar, ou mesmo triplicar, o tempo padrão de cada consulta. Para o efeito, elaborou um documento com os tempos que considera serem os recomendados, que entra em discussão pública esta segunda-feira, quando se assinala o Dia Mundial do Doente.

«A necessidade de fixar estes tempos de referência não oferece qualquer dúvida à Ordem dos Médicos.
Não é possível aceitar como inevitável a sobrecarga que atualmente se verifica nas consultas, agendadas com diferenças de escassos minutos, quando não sobrepostas, prejudicando as boas práticas clínicas e a qualidade da assistência ao doente», salienta o preâmbulo do documento.

A proposta, que será colocada em consulta pública durante 30 dias, está aberta aos contributos de todos os médicos e de todos os cidadãos portugueses, apresentando tempos padrão para mais de 60 especialidades. 

«Não é possível aceitar como inevitável a sobrecarga que atualmente se verifica nas consultas, agendadas com diferenças de escassos minutos, quando não sobrepostas, prejudicando as boas práticas clínicas e a qualidade da assistência ao doente», salienta o preâmbulo do documento

A título de exemplo, a proposta considera que as primeiras consultas feitas pelos médicos de família devem ter uma duração padrão entre os 30 e os 45 minutos. 
De acordo com aquele organismo, este é «um ponto de partida para uma fundamentação tão consensual quanto possível». 

Posteriormente, o documento será apresentado, discutido e votado em Assembleia de Representantes da Ordem dos Médicos, sendo de seguida publicada a versão final do documento como Regulamento desta Ordem na 2.ª série do Diário da República.

A publicação foi desenvolvida com os contributos dos colégios das especialidades e competências e das secções de subespecialidade da Ordem dos Médicos, que «aponta o caminho de uma ponderação técnica e científica na definição dos tempos de consulta».

19tm07c
11 de Fevereiro de 2019
1907Pub2f19tm07c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

por Teresa Mendes | 17.06.2019

CE alerta para a diminuição do investimento na Saúde em Portugal

Um relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de saúde, di...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.