«Se não tivéssemos os internos o SNS ruía como um castelo de cartas»

por Teresa Mendes | 11.02.2019

O bastonário da Ordem dos Médicos assinala dois anos de mandato 
 Numa sessão em que foram assinalados os dois anos de mandato do bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães acusou os políticos de falta de vontade de resolver os problemas do Serviço Nacional de Saúde (SNS), considerando que o enfoque na alteração da Lei de Bases serviu para «desviar atenções».

O responsável alerta que o SNS tem estado «quase paralisado» e considera até que estará pior do que há 20 anos, destacando que é a evolução da medicina que tem contribuído para «dar um certo equilíbrio» à capacidade de resposta, salientou o dirigente esta sexta-feira, em Lisboa.

«Não há vontade de quem está na política de resolver o problema das pessoas que trabalham no SNS nem a capacidade de resposta que os serviços de saúde podem dar aos cidadãos», afirmou aos jornalistas à margem do encontro.

«Não há vontade de quem está na política de resolver o problema das pessoas que trabalham no SNS nem a capacidade de resposta que os serviços de saúde podem dar aos cidadãos», afirmou Miguel Guimarães

Miguel Guimarães deu o exemplo do enfoque que foi dado à alteração da Lei de Bases da Saúde: «Parece que a Lei de Bases é a salvação do SNS», mas «não há nada na atual Lei de Bases que impeça o Governo de apostar fortemente no SNS e dar aos cidadãos o que eles querem ou que impeça de regularizar as profissionais na área da saúde», defendeu.

Para o bastonário, esta «é uma forma de desviar as atenções numa altura em que o SNS enfrenta uma grave deficiência de investimento, ao nível de equipamentos e de capital humano».

Nos seus dois anos de mandato considera que «não houve investimento sério no SNS».
 
Apesar de o Governo invocar a contratação de mais médicos, o bastonário recorda que o que tem existido é mais clínicos em formação.
«Se não tivéssemos os internos [médicos a fazer formação de especialidade] neste momento, o SNS ruía como um castelo de cartas», alertou.

19tm07a
11 de Fevereiro de 2019
1907Pub2f19tm07a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

15.05.2019

Tempos de espera para cirurgias mais do que duplicaram

Quase 40% das consultas hospitalares a pedido dos cuidados de saúde primários (CSP) não foram realiz...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.