Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Atividade nos CSP e hospitais aumenta
O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no número total de consultas nos cuidados de saúde primários (CSP), quer nas consultas hospitalares e episódios de urgências.

Contudo, o balanço provisório publicado hoje pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) revela uma inflexão no número de cirurgias realizadas.

Os dados mostram uma redução de 0,5% no total de intervenções cirúrgicas em 2018, quebrando uma subida que vinha sendo registada desde 2013.

Foram realizadas 670.455 cirurgias, quase menos quatro mil do que no ano anterior.

Os dados da ACSS mostram uma redução de 0,5% no total de intervenções cirúrgicas em 2018, quebrando uma subida que vinha sendo registada desde 2013

Embora sem fazer nenhuma alusão direta à greve dos enfermeiros nos blocos operatórios, Marta Temido já tinha referido, na semana passada na Comissão Parlamentar de Saúde, que essa diminuição aconteceu num ano «particularmente difícil». 

Aliás, segundo os dados do próprio Ministério da Saúde, entre 22 de novembro e final de dezembro a primeira greve cirúrgica levou ao cancelamento ou adiamento de mais de 7500 cirurgias em cinco hospitais.

Consultas nos CSP aumentam 1,2%

Nos CSP, o número total de consultas médicas ultrapassou os 31 milhões, correspondendo a um aumento de 1,2% em relação à atividade realizada no ano de 2017. Se compararmos com anos anteriores, constatamos que em 2018 o SNS registou mais 600 mil consultas nos cuidados de saúde primários do que em 2015 e mais 715 mil que em 2013.

A ACSS assinala ainda a evolução positiva registada em 2018 em relação às consultas de enfermagem, que subiram 1,5%, assim como as consultas de outros profissionais, com mais 20,6%.

Aumentam consultas e episódios de urgências nos hospitais

Esta tendência de aumento de atividade assistencial replicou-se na área das consultas hospitalares, tendo-se realizado mais de 12,1 milhões de consultas hospitalares em 2018, representando um acréscimo de resposta quer em termos de primeiras consultas hospitalares, quer de consultas subsequentes.

O SNS continuou ainda a melhorar o seu desempenho em termos de ambulatorização cirúrgica, atingindo os 65,5%. 

Já o número de atendimentos urgentes em 2018 alcançou os 6,3 milhões de atendimentos, o que representa um aumento de 0,8%.

Todas as informações disponíveis aqui.  

19tm07m
14 de Fevereiro de 2019
1907Pub5f19tm07m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.