Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Atividade nos CSP e hospitais aumenta
O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no número total de consultas nos cuidados de saúde primários (CSP), quer nas consultas hospitalares e episódios de urgências.

Contudo, o balanço provisório publicado hoje pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) revela uma inflexão no número de cirurgias realizadas.

Os dados mostram uma redução de 0,5% no total de intervenções cirúrgicas em 2018, quebrando uma subida que vinha sendo registada desde 2013.

Foram realizadas 670.455 cirurgias, quase menos quatro mil do que no ano anterior.

Os dados da ACSS mostram uma redução de 0,5% no total de intervenções cirúrgicas em 2018, quebrando uma subida que vinha sendo registada desde 2013

Embora sem fazer nenhuma alusão direta à greve dos enfermeiros nos blocos operatórios, Marta Temido já tinha referido, na semana passada na Comissão Parlamentar de Saúde, que essa diminuição aconteceu num ano «particularmente difícil». 

Aliás, segundo os dados do próprio Ministério da Saúde, entre 22 de novembro e final de dezembro a primeira greve cirúrgica levou ao cancelamento ou adiamento de mais de 7500 cirurgias em cinco hospitais.

Consultas nos CSP aumentam 1,2%

Nos CSP, o número total de consultas médicas ultrapassou os 31 milhões, correspondendo a um aumento de 1,2% em relação à atividade realizada no ano de 2017. Se compararmos com anos anteriores, constatamos que em 2018 o SNS registou mais 600 mil consultas nos cuidados de saúde primários do que em 2015 e mais 715 mil que em 2013.

A ACSS assinala ainda a evolução positiva registada em 2018 em relação às consultas de enfermagem, que subiram 1,5%, assim como as consultas de outros profissionais, com mais 20,6%.

Aumentam consultas e episódios de urgências nos hospitais

Esta tendência de aumento de atividade assistencial replicou-se na área das consultas hospitalares, tendo-se realizado mais de 12,1 milhões de consultas hospitalares em 2018, representando um acréscimo de resposta quer em termos de primeiras consultas hospitalares, quer de consultas subsequentes.

O SNS continuou ainda a melhorar o seu desempenho em termos de ambulatorização cirúrgica, atingindo os 65,5%. 

Já o número de atendimentos urgentes em 2018 alcançou os 6,3 milhões de atendimentos, o que representa um aumento de 0,8%.

Todas as informações disponíveis aqui.  

19tm07m
14 de Fevereiro de 2019
1907Pub5f19tm07m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Este é o momento de contratar mais médicos e de recuperar as carreiras» 

«O nosso trabalho é salvar vidas, ajudar os portugueses e ajudar o país.»<br /> <br /> Foi desta f...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

Sem confinamento SNS teria de atender três vezes mais doentes graves com Co...

Se o estado de emergência não tivesse vigorado em Portugal nos primeiros 15 dias de abril, as unidad...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Saldo do SNS em abril agravou-se 11,3 milhões de euros 

Em abril, o saldo do Serviço Nacional de Saúde (SNS) situou-se nos 149,2 milhões de euros negativos,...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Infarmed aprova financiamento de Keytruda® em combinação com pemetrexedo e...

O Infarmed aprovou, esta terça-feira, o financiamento de Keytruda® (pembrolizumab) em combinação com...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.