Sindicato Independente dos Médicos vai processar Ministério da Defesa Nacional

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 20.02.2019

Objetivo é acabar com a discriminação na Carreira Médica da área da Defesa
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) vai intentar uma ação em tribunal contra o Ministério da Defesa Nacional por causa da «discriminação dos trabalhadores médicos adstritos ao Ministério da Defesa Nacional».

«O SIM tem vindo a denunciar vigorosamente a lamentável discriminação dos trabalhadores médicos civis a exercer funções na área da Defesa Nacional habilitados com o grau de consultor, assim tendo adquirido a categoria de assistente graduado, mas ainda não a receber pela categoria de assistente graduado, ao contrário do que designadamente acontece, aliás há mais de dois anos, com os trabalhadores médicos que exercem funções no Ministério da Saúde», lamenta o SIM num comunicado publicado esta terça-feira no seu site.

O Sindicato Independente dos Médicos vai intentar uma ação em tribunal contra o Ministério da Defesa Nacional por causa da «discriminação dos trabalhadores médicos adstritos ao Ministério da Defesa Nacional»

«Para além da incapacidade em atrair médicos para o quadro, essa discriminação é uma das razões que explica a grande diminuição dos médicos civis do Hospital das Forças Armadas, onde mais de 60% dos cuidados são efetuados por prestadores externos», denuncia ainda aquele sindicato.

«Face à recusa do Ministro da Defesa em responder aos vários ofícios e aos pedidos de reuniões, o SIM irá intentar uma ação em tribunal para terminar com a discriminação dos trabalhadores médicos adstritos ao Ministério da Defesa Nacional», salienta a nota à Imprensa.

O SIM prevê também a realização de um referendo junto dos associados para avaliar formas de luta, «que não excluem naturalmente a greve", acrescenta.

O SIM diz-se ainda disponível para a audiência reiteradamente solicitada pelo organismo ao Ministro da Defesa Nacional, «não só para abordar este candente tema como também para que seja apreciada a incompreensível demora a que se assiste em relação ao Acordo Coletivo de Empregador Público».

Segundo o SIM, a sua negociação foi suspensa há quase um ano, sem esclarecimentos adicionais.

19tm08k
20 de Fevereiro de 2019
1908Pub4f19tm08k

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 EPE estavam em falência técnica no ano passado

Em 2018, metade dos hospitais EPE do país encontrava-se em falência técnica, segundo uma análise do...

06.12.2019

Chefes de cirurgia de Faro recusam fazer urgências a partir de 1 de janeiro

A partir de 1 de janeiro de 2020, os chefes de equipa de Cirurgia do Hospital de Faro vão deixar de...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

 Sarampo matou mais de 140 mil pessoas no mundo em 2018

Em 2018, o sarampo foi responsável pela morte de mais de 140.000 pessoas, segundo novas estimativas...

por Teresa Mendes | 06.12.2019

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros»

«Não existem cigarros eletrónicos nem produtos de tabaco seguros, nomeadamente tabaco aquecido. Apre...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.