«Estamos numa situação de crise no sistema de saúde militar»

por Teresa Mendes | 21.02.2019

Ministro da Defesa quer reforma do sistema de saúde dos militares 
O ministro da Defesa Nacional apontou esta quarta-feira como prioridade «lançar as bases» para um sistema de saúde militar «mais coeso e integrado», reforma que espera ver aprovada até ao final da legislatura.

Ontem, o Sindicato Independente dos Médicos anunciou que vai intentar uma ação em tribunal contra aquele Ministério por causa da «discriminação dos trabalhadores médicos» a ele adstritos.

Ouvido numa audição regimental sobre a política de Defesa, na Assembleia da República, Gomes Cravinho afirmou que a saúde militar é uma prioridade nos meses que faltam até terminar o mandato, esperando ver aprovada até lá legislação para «lançar as bases para um sistema de saúde militar mais coeso e integrado», envolvendo o IASFA, (Instituto de Ação Social das Forças Armadas) a ADM (Assistência na Doença aos Militares), o Hospital das Forças Armadas, as unidades de saúde dos ramos e o Laboratório Militar.

O ministro da Defesa Nacional apontou esta quarta-feira como prioridade «lançar as bases» para um sistema de saúde militar «mais coeso e integrado», reforma que espera ver aprovada até ao final da legislatura 

«Ao longo dos últimos 15 anos houve tentativas incompletas para reformas e hoje estamos numa situação de crise no sistema de saúde militar», disse, adiantando que pretende manter o IASFA a gerir as diferentes componentes, «mas com uma separação clara».

João Gomes Cravinho adiantou aos deputados que dará instruções ao novo presidente do IASFA, que toma posse esta quinta-feira posse [tenente-general Fernando Serafino], para «fazer uma separação clara das diferentes componentes», ação social, ADM e gestão do património.

O ministro afirmou ainda que a prioridade é «voltar a pôr de pé o IASFA» e encontrar «viabilidade e racionalidade financeira» para o sistema de saúde dos militares, que apresenta «muitos desequilíbrios, talvez mesmo disfuncionalidades».

Sobre este mesmo assunto o Sindicato Independente dos Médicos denunciou esta terça-feira numa nota à Imprensa que «para além da incapacidade em atrair médicos para o quadro, essa discriminação é uma das razões que explica a grande diminuição dos médicos civis do Hospital das Forças Armadas, onde mais de 60% dos cuidados são efetuados por prestadores externos».

Aquele sindicato sublinhou que tem vindo a denunciar vigorosamente «a lamentável discriminação dos trabalhadores médicos civis a exercer funções na área da Defesa Nacional habilitados com o grau de consultor, assim tendo adquirido a categoria de assistente graduado, mas ainda não a receber pela categoria de assistente graduado, ao contrário do que designadamente acontece, aliás há mais de dois anos, com os trabalhadores médicos que exercem funções no Ministério da Saúde».

«Face à recusa do Ministro da Defesa em responder aos vários ofícios e aos pedidos de reuniões, o SIM irá intentar uma ação em tribunal para terminar com a discriminação dos trabalhadores médicos adstritos ao Ministério da Defesa Nacional», lê-se no comunicado.

19tm08m
21 de Fevereiro de 2019
1908Pub5f19tm08m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.10.2019

Investigação portuguesa comprova impacto da redução do consumo de sal na sa...

Um estudo inédito em Portugal concluiu que «a diminuição da ingestão de sal e o aumento da ingestão...

por Teresa Mendes | 17.10.2019

 Morrem prematuramente em Portugal quase 6 mil pessoas devido à poluição

Em 2016, morreram prematuramente em Portugal quase 6 mil pessoas devido à poluição do ar. A conclusã...

por Teresa Mendes | 17.10.2019

 USF modelo B: Regime retributivo «deve ser alargado a todos os profissiona...

O Conselho Consultivo da Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) considera, no q...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

 Médicos contestam manutenção de Marta Temido na pasta da Saúde

Após um ano marcado pela contestação, Marta Temido vê o seu mandato como ministra da Saúde renovado...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

 Hospitais que criarem mais pagamentos em atraso devem ser auditados

O economista Pedro Pita Barros sugere ao novo Governo, prestes a iniciar funções, que passe a public...

por Teresa Mendes | 16.10.2019

Festival Mental 2019 é já em novembro, em Lisboa e Porto

Lisboa e Porto vão poder assistir ao Festival Mental em novembro.<br /> A inauguração é no dia 1 e...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.