42 mil portugueses já assinaram petição para “salvar as farmácias”

21.02.2019

Quase 680 farmácias enfrentam processos de penhora e insolvência
Quarenta e dois mil portugueses já assinaram uma petição para «salvar as farmácias» em situação mais frágil, tornando obrigatória a sua discussão no plenário da Assembleia da República.

Lançada pela Associação Nacional das Farmácias (ANF), a petição «Salvar as Farmácias, cumprir o SNS», que ultrapassou claramente as 4000 assinaturas necessárias para debate parlamentar, defende um programa legislativo dirigido ao setor farmacêutico, para evitar o fecho de farmácias em situação mais frágil.

«Os portugueses pedem aos deputados um pacote de medidas para evitar a falência de 25% das farmácias e para garantir a igualdade do direito à Saúde em qualquer ponto do território», refere a ANF em comunicado divulgado esta quarta-feira.

Neste momento, 679 farmácias enfrentam processos de penhora e insolvência, mais quatro do que no início do ano, adianta a ANF, que representa 2750 farmácias.

«Os portugueses pedem aos deputados um pacote de medidas para evitar a falência de 25% das farmácias e para garantir a igualdade do direito à Saúde em qualquer ponto do território», refere a ANF

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, foi um dos primeiros subscritores, justificando que «o acesso dos doentes aos medicamentos está mais uma vez em risco. As farmácias estão em grandes dificuldades».

Segundo a ANF, a petição, cuja recolha de assinaturas foi iniciada há uma semana, será assinada hoje, na Farmácia Nova de Famões, em Odivelas, pela bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, e pela bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins.

«A adesão dos mais altos representantes das profissões da saúde é para nós uma honra e uma responsabilidade», afirma o presidente da Associação Nacional das Farmácias, Paulo Cleto Duarte, no comunicado.

Paulo Cleto Duarte adianta que «as farmácias querem trabalhar de forma cada vez mais articulada com médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde, para que cada português encontre sempre rapidamente a solução adequada aos seus problemas de saúde, quer viva nas grandes cidades ou nas aldeias mais isoladas».

Segundo dados da associação, Portalegre, Guarda, Santarém e Setúbal são os distritos onde 30% ou mais das farmácias estão em risco.

A petição adianta que foram reportadas 64 milhões de embalagens de medicamentos em falta nas farmácias só no ano passado, afirmando que «a austeridade sobre o setor do medicamento não pode ser eterna».

«É urgente salvar a rede de farmácias», pede o texto da petição, que, segundo a ANF, supera a última petição nacional das farmácias realizada em 2014.

19tm08p
21 de Fevereiro de 2019
1908Pub5f19tm08p

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.