ADSE terá tabela com preços fechados «dentro de pouco tempo»

28.02.2019

Será criado um sistema de combate à fraude 
Numa audição na Comissão Parlamentar de Saúde, a presidente da ADSE garantiu que está a preparar novas tabelas com preços «justos e equitativos» para apresentar «dentro de muito pouco tempo» aos prestadores privados.
Outra das novidades é que ainda em 2019 haverá um sistema de combate à fraude, para evitar «comportamentos desviantes».

«O conselho diretivo considera que o caminho para o futuro deve ser diferente e, por isso, estamos a preparar novas tabelas em que seja atribuído um preço justo e equitativo para todos os atos», afirmou Sofia Portela na audição desta quarta-feira, pedida pelo BE, CDS e PSD para discutir o diferendo entre o instituto que gere o sistema de assistência na doença da função pública e os principais grupos privados de saúde.

«A nossa expectativa é, dentro de muito pouco tempo, podermos apresentar uma tabela com preços fechados. E com preços fechados a regra das regularizações deixa de fazer sentido, cai», reforçou a responsável, acrescentando que a discussão dos preços é um «processo contínuo» em que é preciso um diálogo permanente entre as partes.

A presidente da ADSE recordou aos deputados que a tentativa de acabar com os preços abertos é um caminho que já se está a fazer «há mais de dois anos» e que permitiu fixar limites em alguns medicamentos neoplásicos, exames de gastro e num conjunto de procedimentos cirúrgicos mais frequentes.

Numa audição na Comissão Parlamentar de Saúde, a presidente da ADSE garantiu que está a preparar novas tabelas com preços «justos e equitativos» para apresentar «dentro de muito pouco tempo» aos prestadores privados 

Recorde-se que o diferendo com os grupos privados surgiu após de, em dezembro, a ADSE ter concluído que em 2015 e em 2016 um conjunto de prestadores de saúde com os quais tem convenções faturou 38 milhões de euros a mais, exigindo a devolução destes montantes.

De acordo com Sofia Portela, foram notificadas 81 entidades e está a decorrer a fase de contraditório, acrescentando que o valor em causa poderá ser menor — dependendo das justificações apresentadas pelos prestadores.

A presidente da ADSE revelou igualmente as medidas que estão a ser tomadas para «evitar comportamentos desviantes».

 «A ADSE adjudicou um processo de business intelligence e vai avançar este ano para um processo de controlo de fraude», adiantou, esclarecendo que se trata de ter mecanismos que permitam avaliar comportamentos desviantes, situações de abuso ou de desperdício e atuar.
 
19tm09p
28 de Fevereiro de 2019
1909Pub5f19tm09p


Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.