Existe «facilidade exagerada» na transição dos médicos para o privado

por Teresa Mendes | 05.03.2019

Pedro Ramos defende «instrumentos que impeçam» este facilitismo
«Facilidade exagerada» que existe na transição dos médicos, cuja formação custou milhares de euros no sistema público, para o privado, e saem sem «deixarem algum retorno».

O secretário regional da Saúde da Madeira criticou esta segunda-feira a «facilidade exagerada» que existe na transição dos médicos, cuja formação custou milhares de euros no sistema público, para o privado, e saem sem «deixarem algum retorno».

«Gostaríamos que os médicos do sistema público não tivessem uma facilidade exagerada para poderem transitar para o sistema privado, sem devolverem e de facto deixarem qualquer coisa no sistema público, que é responsável pela sua formação», disse Pedro Ramos após ter reunido com os deputados do PSD da Madeira na Assembleia da República.

À agência Lusa, o responsável madeirense apontou que, «no caso dos médicos, são gastos muitos milhares de euros e, quando este entende que pode passar para o sistema privado, não deixa nada em retorno».

O secretário regional da Saúde da Madeira, Pedro Ramos, criticou este domingo a «facilidade exagerada» que existe na transição dos médicos, cuja formação custou milhares de euros no sistema público, para o privado, e saem sem «deixarem algum retorno»

Por isso, defendeu que «deve haver instrumentos que impeçam» este facilitismo, mencionando que, neste momento, existem «duas unidades privadas que estão a tentar recrutar profissionais do sistema público».

«Isso não devia funcionar assim», sublinhou, realçando que «a Lei de Bases da Saúde não permite proceder de outra forma» e é necessário «atuar» de maneira diferente.

Pedro Ramos referiu que está em fase de preparação um diploma para ser apresentado na Assembleia da República que visa «a colaboração do profissional em instituições do Serviço Nacional de Saúde e que possa também ser feita no Serviço Regional de Saúde».

«Existem problemas em termos de contratualização e prestação de serviço consoante o tipo de horário, este decreto vai permitir ultrapassar esta barreira, o vínculo da exclusividade», explicou, destacando que, com esta alteração, os profissionais «podem exercer a sua atividade noutras unidades sem ser no seu hospital».

19tm10g 
05 de Março de 2019
1910Pub3f19tm10g

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

Criação da Ordem dos Fisioterapeutas promulgada pelo Presidente da Repúblic...

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou a criação da Ordem dos Fisioterapeutas...

por Carlos Mesquita | 10.07.2019

 20 anos do ATLS em Portugal

Artigo de Carlos Mesquita<br /> <br /> Os evidentes progressos das quatro últimas décadas em Portu...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.