Carta aberta ao primeiro-ministro acusa Governo de «desprezar os médicos»

por Teresa Mendes | 07.03.2019

As «Fake News» da ministra da Saúde, segundo o SIM 
Numa carta aberta ao primeiro-ministro, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa o Governo de «desprezar os médicos», apelando para «uma negociação séria» e que «não se falte à verdade quanto aos seus salários».
 
Na missiva é dito que «o Governo português despreza os médicos do SNS que perderam 23% do seu poder de compra afastando as remunerações ainda mais do praticado nos restantes países da União Europeia».

O desprezo estende-se aos médicos do Instituto de Medicina Legal, «recusando concretizar acordos de princípio assinados com delegações credenciadas pelo Ministério da Justiça» e aos médicos civis dos Hospital das Forças Armadas, «deteriorando a acessibilidade e a qualidade dos cuidados de saúde prestado aos militares».

Numa carta aberta ao primeiro-ministro, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa o Governo de «desprezar os médicos», apelando para «uma negociação séria» e que «não se falte à verdade quanto aos seus salários»

Na longa carta dirigida a António Costa, o sindicato salienta igualmente que «o Governo português despreza os médicos porque se recusa a valorizar o trabalho recusando concursos para Assistente Graduado Sénior; porque se recusa a diminuir a carga de trabalho em Serviço de Urgência fazendo aumentar a lista de espera para consultas e cirurgias ao mesmo tempo que aumentam exponencialmente as transferências para o setor privado e social; e ainda porque e se recusa a diminuir a carga de trabalho dos médicos de família, permanecendo as dificuldades de acesso».

SIM acusa ministra de virar opinião pública contra médicos
 
«Ao invés de aliciar e motivar os médicos do SNS», a ministra da Saúde, Marta Temido, «tenta colocar a opinião pública e outros profissionais contra os médicos como ocorreu na entrevista na TVI de 4 de março tentando esconder que em Portugal depois do final da austeridade nunca se investiu tão pouco na saúde… até no tempo da troika se investiu mais», crítica o sindicato.

Contrariando as declarações da ministra, diz, citando dados oficiais, que as listas de espera são as maiores e mais longas de sempre e que «a promessa de médicos de família para todos» está «muito longe».

«Mais baixo investimento de sempre, dados do Tribunal de Contas», «maior número de cirurgias de sempre para o privado, maior volume financeiro pagos a prestadores (cerca de 110 milhões de euros)» e «insatisfação crescente de todos os profissionais de saúde» são outras situações apontada no documento.

Adicionalmente, o SIM esclarece que ao contrário do que foi dito por Marta Temido, «Um médico no início da carreira em Portugal não ganha 2.746€, mas sim 1.566,42 euros brutos por mês no primeiro ano da Formação Geral».

A carta  aberta está disponível aqui 

19tm10n
06 de Março de 2019
1910Pub5f19tm10n

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.