«É necessária uma nova grelha salarial para os médicos do SNS»

por Teresa Mendes | 11.03.2019

Médicos juntam-se aos protestos das profissões da saúde e reclamam aumentos
Os médicos juntam-se ao coro de protestos das outras profissões da saúde e reclamam aumentos salariais. «É necessária uma nova grelha salarial para os médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS)», diz o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) num comunicado publicado este domingo no seu site.

Esta é uma reivindicação em grande parte justificada pela «necessidade de fixar e captar especialistas para um SNS com severa limitação do seu número, na maioria envelhecidos, apresentando índices de fadiga elevados», bem como pela necessidade de «fazer frente a listas de espera crescentes em número e em tempos», argumenta aquela estrutura sindical.

A nota à Imprensa inclui uma longa exposição de motivos (22) para o aumento salarial, entre os quais «que o salário de especialista com 35 hora é de 1853 euros brutos (cerca de 1270 euros líquidos com subsídio de refeição) após um mestrado integrado de 6 anos + 5 a 7 anos para obtenção de especialidade», que «os salários congelados desde 2007»,  que «o poder de compra diminuiu 20,5% e  os impostos e a taxa da ADSE aumentaram» ou que «os salários no estrangeiro são três vezes superiores, altamente apelativos e com outras condições de trabalho».  

Os médicos juntam-se ao coro de protestos das outras profissões da saúde e reclamam aumentos salariais. «É necessária uma nova grelha salarial para os médicos do SNS», diz o Sindicato Independente dos Médicos

Acresce uma «vida social e familiar comprometida, com alta prevalência de stress pós-traumático, violência sobre profissionais e até casos de suicídio» e ainda «honorários dos prestadores de serviço que variam entre 40 e 50 euros/hora com carga fiscal de cerca de metade das horas suplementares dos médicos do quadro».

«Com uma nova e melhorada grelha, poderá haver maior disponibilidade para a realização de trabalho suplementar necessário ao funcionamento dos serviços de urgência, inclusive da parte de quem de está dispensado por limite de idade (grande maioria dos médicos do SNS)», sublinha o SIM no comunicado.

19tm11a
11 de Março de 2019
1911Pub2f19tm11a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.