Dosagem de 6 em 6 semanas para todas as indicações de pembrolizumab 

12.03.2019

CHMP recomendou a aprovação de um novo esquema posológico 
A MSD anunciou esta segunda-feira que o Comité dos Medicamentos para Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) recomendou a aprovação de um novo esquema posológico para todas as indicações de pembrolizumab em monoterapia aprovadas na União Europeia (UE).

Na UE, pembrolizumab como monoterapia está atualmente aprovado para oito indicações em cinco tipos de tumores.

No comunicado a companhia farmacêutica informa que «o parecer positivo do CHMP apoia uma nova posologia recomendada de 400 mg a cada seis semanas (Q6W) administrada por perfusão intravenosa durante 30 minutos».

Se aprovado pela Comissão Europeia (CE), a dose de Q6W fica disponível como complemento à posologia atualmente aprovada de pembrolizumab 200 mg a cada três semanas (Q3W) administrada por perfusão intravenosa durante 30 minutos, acrescenta a nota à Imprensa.

A MSD anunciou esta segunda-feira que o Comité dos Medicamentos para Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) recomendou a aprovação de um novo esquema posológico para todas as indicações de pembrolizumab em monoterapia aprovadas na União Europeia

A recomendação do CHMP será agora revista pela CE para autorização de comercialização na UE, sendo a decisão final esperada para o segundo trimestre de 2019.

«A MSD continua empenhada em melhorar a vida das pessoas com cancro, o que inclui a procura de opções inovadoras para administrar pembrolizumab atendendo às necessidades exclusivas de doentes e profissionais de saúde», afirmou Scot Ebbinghaus, vice-presidente de pesquisa clínica da MSD Research Laboratories.

«É importante realçar que o parecer positivo do CHMP apoia a aprovação de uma opção posológica de seis semanas em todas as oito indicações aprovadas de pembrolizumab em monoterapia, na Europa, abrangendo cinco tipos de cancro.

Se aprovado pela CE, a posologia de pembrolizumab 400 mg a cada seis semanas permitirá aos médicos e doentes uma maior flexibilidade nos planos de tratamento», reforçou o responsável.

19tm11f
12 de Março de 2019
1911Pub3f19tm11f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.