Há uma imensidão de dados sobre a Saúde, mas muitos são errados

por Teresa Mendes | 12.03.2019

Chegam a ser diferentes os dados sobre o mesmo tema 
As organizações de saúde em Portugal têm uma imensidão de dados, mas muitos são errados e incoerentes, além de serem difíceis de comparar.

Esta é a conclusão de um relatório elaborado por um grupo de trabalho para a gestão da informação em saúde da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, apresentado hoje em Lisboa. 

Este White Paper, coordenado por Teresa Magalhães, foi divulgado na sessão pública, «Contributos para a implementação de um Business Intelligence no SNS», onde se discutiu o que poderá ser uma estrutura de BI no SNS.

Entre os problemas detetados no sistema de saúde português estão a qualidade e cruzamento dos dados e a dificuldade de lhes aceder ou o facto de os hospitais serem «inundados» com pedidos de dados por várias entidades, gastando tempo, esforço e capital humano de forma ineficaz. 

Entre os problemas detetados no sistema de saúde português estão a qualidade e cruzamento dos dados e a dificuldade de lhes aceder ou o facto de os hospitais serem «inundados» com pedidos de dados por várias entidades, gastando tempo, esforço e capital humano de forma ineficaz

Segundo relatório, chegam a ser diferentes os dados sobre o mesmo tema dentro de uma mesma organização de saúde.

«Existe a tendência de ignorar os glossários existentes, mas também existem situações em que as instruções de preenchimento de ficheiros são inexistentes, dúbias ou contraditórias», pode ler-se na publicação.

É igualmente apontado como um problema a «imensidão de dados», mas, estando muitos deles errados ou incoerentes, «o que consequentemente põe em causa a fiabilidade dos mesmos».

Outro dos problemas identificado, a nível nacional, é «a dificuldade de comparar dados das diferentes organizações, não só porque o registo de dados é realizado sob condições diferentes, mas também porque a extração de dados é realizada de forma diferente».

A nível mais local ou hospitalar, o grupo de trabalho salienta a falta de capacidade para obter dados em tempo útil, seja por incapacidade de os extrair ou por incapacidade de os cruzar.

Outra das dificuldades identificadas é que os utentes não conseguem aceder a informação suficiente nos 'sites' dos hospitais ou de outras instituições de saúde.
«Os utentes querem saber onde e quando podem ser tratados da melhor forma, com maior qualidade», além de que a informação que lhes é prestada «não se adapta a cada situação» ou a cada patologia.

O grupo de trabalho da Associação de Administradores Hospitalares entende que a utilização de Business Intelligence - que surge definida como o uso de informação e de ferramentas de análise especializada -, vai além do recurso à tecnologia e pode ajudar a rentabilizar os recursos pode melhorar os cuidados de saúde e facilitar as análises de qualidade e segurança.

Mais informações podem ser consultadas no documento, aqui 

19tm11e
12 de Março de 2019
1911Pub3f19tm11e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.