Ana Jorge vai liderar estudo de avaliação do Sistema de Saúde Militar

19.03.2019

Ex-ministra da Saúde tem até final de maio para apresentar propostas 
A ex-ministra da Saúde Ana Jorge vai coordenar um «estudo de avaliação» sobre o modelo de organização do Sistema de Saúde Militar (SSM), que deverá estar pronto até ao final de maio, segundo um despacho do ministro da Defesa Nacional.

O relatório sobre o SSM deverá ser entregue até 31 de maio e conter «propostas concretas» sobre o modelo de organização, capacidades do Hospital das Forças Armadas, serviços prestados, indicadores de eficiência, sustentabilidade e interação com o Serviço Nacional de Saúde, diz o despacho, assinado na quinta-feira passada e ao qual a Lusa teve acesso esta segunda-feira.

Segundo o diploma, que ainda não foi publicado, o estudo será desenvolvido pela médica Ana Jorge, ex-ministra da Saúde nos XVI e XVII governos.

A ex-ministra da Saúde Ana Jorge vai coordenar um «estudo de avaliação» sobre o modelo de organização do Sistema de Saúde Militar, que deverá estar pronto até ao final de maio, segundo um despacho do ministro da Defesa Nacional 

Recorde-se que a Ana Jorge presidiu, antes de iniciar funções como ministra da Saúde em janeiro de 2008, ao grupo de trabalho que elaborou um relatório sobre o SSM que esteve na base da reforma do sector iniciada naquele ano.

No ano seguinte, em 2009, o Governo aprovou uma proposta para a reforma da Saúde Militar que previa a substituição dos seis hospitais militares por um único, que se veio a concretizar na criação do Hospital das Forças Armadas com dois polos, um em Lisboa e outro no Porto.

No despacho, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, indica que deve ser avaliada a adequação do modelo do SSM e a sua sustentabilidade financeira e que devem ser propostas ações para aumentar a «atratividade do Hospital das Forças Armadas» e para «desenvolver na carreira médica, civil e militar». 

João Gomes Cravinho argumentou que o SSM «tem sido objeto, especialmente na última década, de um processo profundo de reforma» e considerou essencial fazer «um ponto da situação» do atual sistema.

O modelo preconizado pelas alterações orgânicas de 2014 «apenas se encontra parcialmente implementado, constatando-se alguns desvios, entretanto verificado, ao modelo então previsto», refere o governante.

Há um mês, numa audição no Parlamento, o governante tinha já apontado como prioridade «lançar as bases» para um sistema de saúde «mais coeso e integrado», avançando esperar ver a reforma concluída «até ao final da legislatura».

19tm12g
19 de Março de 2019
1912Pub3f19tm12g

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

Criação da Ordem dos Fisioterapeutas promulgada pelo Presidente da Repúblic...

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou a criação da Ordem dos Fisioterapeutas...

por Carlos Mesquita | 10.07.2019

 20 anos do ATLS em Portugal

Artigo de Carlos Mesquita<br /> <br /> Os evidentes progressos das quatro últimas décadas em Portu...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.