Consultar o doente pelo telemóvel vai ser uma realidade

19.03.2019

Nova ferramenta de videochamada será generalizada
Até ao final de junho a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) vai começar a testar uma nova ferramenta que vai permitir ao doente ter uma consulta no SNS através de uma aplicação no telemóvel que faz uma videochamada.
O objetivo, se a ideia for aceite pelos médicos, é estender a consulta online para todo o país até ao final do ano.

Em declarações à TSF, no dia em que começa, em Lisboa, o Portugal Ehealth Summit 2019, a maior cimeira nacional de tecnologia e saúde, o presidente da SPMS adiantou que este novo projeto, que funcionará na app MySNS Carteira, possibilitará que os utentes tenham, à distância, através de um smartphone, de uma consulta com o médico de família ou um médico de especialidade.

A meta é ter um projeto-piloto a funcionar na região de Lisboa ou do Porto até ao final do primeiro semestre de 2019 e expandi-lo a todo o país até ao final do ano.

O responsável dos SPMS sublinha que já hoje as pessoas podem ter no telemóvel a app MySNS Carteira que permite guardar receitas, vacinas ou registos de alergias, sendo que o próximo passo será criar uma plataforma segura que permita fazer a videochamada «sem dúvidas sobre a identidade do médico e do doente».

A Serviços Partilhados do Ministério da Saúde vai começar a testar uma nova ferramenta que vai permitir ao doente ter uma consulta no SNS através de uma aplicação no telemóvel, que faz uma videochamada 

A ferramenta vai ficar disponível e a atividade que terá, explica Henrique Martins, vai depender dos médicos e do uso que as instituições de saúde lhe quiserem dar, sendo que um dos principais desafios para o futuro é tornar a tele saúde uma prática habitual e aceite pelos profissionais.

O presidente dos SPMS explica que já hoje muitos médicos dão o seu número de telemóvel ao doente para esclarecer dúvidas simples, mas acrescenta que «a imagem faz muita diferença».

«Ter a possibilidade de ver o doente, mesmo à distância, ajuda muito», defende Henrique Martins que acrescenta que hoje já temos receitas à distância e teremos, em breve, imagem à distância. 

19tm12e
19 de Março de 2019
1912Pub3f19tm12e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

 Eutanásia «viola a relação médico-doente», reafirma Miguel Guimarães

A Ordem dos Médicos (OM) voltou esta segunda-feira a manifestar-se contra a prática da eutanásia, ar...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo c...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.