Número de transplantes diminuiu em 2018

por Teresa Mendes | 26.03.2019

Mais de duas mil pessoas estão em lista de espera 
Em 2018, o número de transplantes diminuiu em Portugal, ano em que se registou a média mais elevada de sempre na idade do dador (57,3 anos), revelou esta segunda-feira o Centro de Sangue e Transplantação de Coimbra. De acordo com a coordenadora nacional de transplantação, Ana França, foram colhidos 976 órgãos e realizaram-se 757 transplantes, menos 102 do que em 2017.

Na apresentação da atividade de doação e transplantação de órgãos, tecidos e células, a responsável salientou que no ano passado o tempo de espera para um doente ser transplantado diminuiu 3% e o que número de óbitos de doentes à espera de transplante diminuiu 2,9%, o que considerou «um dos valores mais baixos a nível internacional».
 
Em 2018, o número de transplantes diminuiu em Portugal, ano em que se registou a média mais elevada de sempre na idade do dador (57,3 anos), revelou o Centro de Sangue e Transplantação de Coimbra. De acordo com a coordenadora nacional de transplantação, Ana França, foram colhidos 976 órgãos e realizaram-se 757 transplantes, menos 102 do que em 2017 

Em 31 de dezembro existiam 2.186 pessoas à espera de um transplante, a maioria de rins.

Segundo Ana França, 53% das pessoas que aguardam por um rim são transplantadas em menos de dois anos.

A ministra da Saúde, Marta Temido, que participou na sessão, sublinhou, de acordo com a Lusa, que «os resultados apresentados mostram bem que Portugal continua a ter uma posição cimeira relativamente à transplantação.

Vale a pena sublinhar que Portugal continua a ser o segundo país com melhores resultados nesta área».

Numa análise às causas da diminuição do número de transplantes, Marta Temido disse que o país não deixa de se «ressentir daquilo que é a tendência generalizada para o envelhecimento da população e, portanto, de alguma forma, de dadores com mais idade e menor possibilidade de doação».

«Por outro lado, também se regista alguma evolução terapêutica em algumas áreas, como a hepatite C ou mesmo a paramiloidose, que têm conduzido a uma menor necessidade [de transplantação], e estas serão as duas prováveis causas para estes números», referiu.

Por fim, a ministra da Saúde disse ainda que merece «atenção e reflexão» o diferente desempenho dos vários hospitais integrados no Serviço Nacional de Saúde relativamente aos seus resultados de doação de órgãos.

«Não deixa de motivar a maior reflexão, verificarmos que, por exemplo, os hospitais mais de fim de linha, como os universitários, tenham resultados muito assimétricos», sublinhou.

19tm13e
26 de Março de 2019
1913Pub3f19tm13e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

21.08.2019

Ministra da Saúde defende reorganização das maternidades no país

 A ministra da Saúde defendeu, esta terça-feira, uma reorganização das maternidades do País, reconhe...

por Carlos Mesquita | 10.07.2019

 20 anos do ATLS em Portugal

Artigo de Carlos Mesquita<br /> <br /> Os evidentes progressos das quatro últimas décadas em Portu...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.