«Mais de 50% dos cuidados de saúde» prestados aos militares são realizados por tarefeiros

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 27.03.2019

SIM vai promover reuniões com associações militares
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia que «tal como no Serviço Nacional de Saúde (SNS), os cuidados de saúde prestados aos militares e aos seus familiares têm-se degradado».

Num comunicado, a estrutura sindical estima que «mais de 50% dos cuidados de saúde já serão realizados por empresas prestadoras de serviços com os conhecidos problemas». 

Além disso, salienta que «as várias especialidades médicas e cirúrgicas têm tido menos consultas numa população mais idosa e cada vez mais doente e com um SNS com mais dificuldades».

Na nota à Imprensa, publicada esta segunda-feira, o SIM considera ser «fundamental contratar médicos civis para os hospitais da Forças Armadas e evitar que os que estão saiam por não terem qualquer perspetiva de carreira e serem necessários no SNS e no setor privado».

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denuncia que «tal como no Serviço Nacional de Saúde (SNS), os cuidados de saúde prestados aos militares e aos seus familiares têm-se degradado». Num comunicado, a estrutura sindical estima que «mais de 50% dos cuidados de saúde já serão realizados por empresas prestadoras de serviços com os conhecidos problemas»

A agravar esta situação, o sindicato informa que o acordo coletivo de empregador público obtido há um ano foi rasgado pelo Ministério da Defesa Nacional e substituído por «uma proposta inaceitável que, se avançasse, agravaria a grave situação», lê-se no comunicado.

A nota termina dizendo que «pela  terceira vez com o atual Ministro da Defesa Nacional» o SIM solicitou uma reunião, «que arrogantemente não merece qualquer resposta», acrescentando que voltaram a apelar ao Presidente da República e ao comandante supremo das Forças Armadas que «tenha a sensibilidade de olhar para este gravíssimo problema» e que irão «promover reuniões com associações de oficiais, sargentos e soldados para procurar soluções». 

19tm13i
27 de Março de 2019
1913Pub4f19tm13i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.