Sindicatos ameaçam quebrar postura de «paz social»

por Teresa Mendes | 28.03.2019

A «insatisfação» está a aumentar entre os médicos 
Reunidos esta quarta-feira numa cimeira para análise detalhada do relacionamento com o Ministério da Saúde, os sindicatos médicos lamentaram «a atitude governamental e o mais baixo investimento de sempre no SNS».

O aumento da «insatisfação» ameaça fazer perder a «paciência» e mudar a postura até agora de «manutenção da paz social», alerta um comunicado conjunto. 

«É fundamental que o Governo concretize na prática as declarações de intenções e que não acicate com declarações espúrias na Comunicação Social essa insatisfação, empurrando os médicos para medidas gravosas e perturbadoras da paz social que todos queremos evitar», lê-se na nota divulgada.

Um ano após ter sido realizada uma greve nacional, a paralisação volta a pairar no ar, pois caso não ocorra um efetivo desenvolvimento das negociações na próxima reunião marcada para o dia 3 de abril, os sindicatos advertem que podem ser «obrigados a reequacionar a sua disponibilidade para a postura de manutenção da paz social».

«É fundamental que o Governo concretize na prática as declarações de intenções e que não acicate com declarações espúrias na Comunicação Social essa insatisfação, empurrando os médicos para medidas gravosas e perturbadoras da paz social que todos queremos evitar», alertam os sindicatos 

De acordo com o Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional dos Médicos é urgente constituir os grupos de trabalho já acordados para discutir os vários assuntos e privilegiar a constituição de mesas negociais, nomeadamente para a negociação da carreira Médica e nova grelha salarial; do Estatuto de Desgaste Rápido e Risco e Penosidade acrescidos para o trabalhador médico; da revisão da regulamentação dos concursos de provimento e mobilidade; dos Centros de Responsabilidade Integrados; das equipas dedicadas para o Serviço de Urgência e da revisão do Regime do Internato Médico.

Segundo as duas estruturas sindicais é ainda «fundamental a revitalização e reconhecimento do papel do médico, nomeadamente com a aprovação da Lei do Acto Médico proposta pela Ordem dos Médicos».

19tm13m
28 de Março de 2019
1913Pub5f19tm13m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Número de pessoas que morre sem cuidados paliativos pode duplicar em 2060

 O número de pessoas que morre sem acesso a cuidados paliativos pode duplicar em 2060.<br /> Segund...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Unidades de saúde mental forense não prisionais vão ter equipa clínica mult...

As unidades de saúde mental forense não prisionais vão passar a ter formalmente uma equipa clínica m...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Ordem cria Gabinete Nacional de Apoio ao Médico

Os médicos em burnout podem recorrer, a partir de hoje, dia 24 de maio, a um gabinete de apoio criad...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Palco será dado a quem vive a realidade da dor crónica de perto

O próximo dia 31 de maio será um dia de reflexão, onde o palco será dado a quem vive a realidade da...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

O  ciclo de vida do medicamento explicado aos jovens

O Infarmed produziu um vídeo dirigido aos jovens, onde explica as etapas do ciclo de vida do medicam...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Governo vai impulsionar criação de USF em contextos complexos 

O Governo está determinado a apoiar e impulsionar a criação de Unidades de Saúde Familiar (USF) em c...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.