Profissionais são o melhor do SNS

02.04.2019

Índice de Saúde Sustentável baixou 2,3 pontos em 2018 
A qualidade dos profissionais é o ponto forte de um Serviço Nacional de Saúde (SNS) cujo índice de sustentabilidade caiu 2,3 pontos em 2018, revela um estudo da NOVA-IMS Information Management School, apresentado esta terça-feira, em Lisboa.

Segundo o trabalho, o Índice de Saúde Sustentável baixou dos 103.0 pontos para os 100.7 devido ao aumento da despesa (2,9%) e à redução da qualidade técnica no SNS, que diminuiu 2,7.

Este último parâmetro foi validado e ponderado por um grupo de peritos que analisou indicadores referenciais como percentagem de fraturas da anca, mortalidade por AVC, cirurgias em ambulatório, entre outros.

«Houve de facto um aumento da despesa e uma ligeira diminuição da qualidade do SNS, que acabaram por ditar a redução do índice de sustentabilidade da saúde. No entanto, olhando para os vários parâmetros que compõem este índice, existem também aspetos francamente positivos como a redução da dívida do SNS, o aumento da atividade e uma qualidade percecionada pelos utentes que se mantém estável», explicou o professor catedrático Pedro Simões Coelho, professor da NOVA IMS e coordenador principal do projeto Índice de Saúde Sustentável à TSF. 

Estes resultados foram revelados na a 8.ª Conferência Abbvie/TSF/DN, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, com a presença da ministra da Saúde e das principais entidades do sector.

Cuidados prestados pelo SNS permitiram um retorno de 5,1 mil milhões

Segundo a TSF, «cerca de metade do valor investido no SNS em 2018 retornou à Economia devido ao impacto positivo dos cuidados de saúde no absentismo laboral e na produtividade dos portugueses valorados em 3,4 mil milhões de euros». 

Em média, os portugueses faltaram quase seis dias ao trabalho no ano passado, mas por outro lado a prestação de cuidados de saúde através do SNS «permitiu evitar a ausência laboral de outros dois dias». 

«Estes números comprovam que o SNS tem um impacto extremamente positivo quer no absentismo laboral, como na produtividade, permitindo não apenas poupanças significativas, mas também um importante retorno para a economia nacional», salienta Pedro Simões Coelho.  
Aliás, considerando o impacto dos valores envolvidos por via dos salários e a relação entre a produtividade/remuneração do trabalho (valores referência do INE), é possível concluir que os cuidados prestados pelo SNS permitiram um retorno para a economia que ronda os 5,1 mil milhões de euros.

Profissionais são o ponto forte

Realizado desde 2014, este estudo desenvolve agora, pela primeira vez, um índice de atuação preferencial, que resulta da avaliação que os utentes fazem dos determinantes da qualidade dos cuidados de saúde e da importância que atribuem a cada um deles.

A qualidade dos profissionais é o ponto forte de um Serviço Nacional de Saúde (SNS) cujo índice de sustentabilidade caiu 2,3 pontos em 2018, revela um estudo da NOVA-IMS Information Management School

Os profissionais de saúde representando na ótica dos utentes o ponto mais forte do SNS, com uma avaliação de 78,3, na escala de 1 a 100. 

O trabalho salienta igualmente o aumento da satisfação e confiança dos utentes e o aumento considerável da atividade do SNS em 2,5%, o nível mais elevado dos últimos quatro anos. 

Por outro lado, a facilidade de acesso aos cuidados (59 pontos) e os tempos de espera entre a marcação e a realização de atos médicos (54 pontos) são encarados como os dois aspetos mais negativos.

Realizaram-se mais consultas no ano passado

Apesar de existirem mais críticas em relação à adequação dos preços, nomeadamente das taxas moderadoras (27% dos inquiridos consideram-nas inadequadas contra 24% em 2017), a atividade não realizada devido aos custos baixou. 

Em 2018, devido aos custos das taxas moderadoras, terão ficado por realizar 503.749 episódios de urgência, valor que no ano anterior ultrapassava os 900 mil.

Se às taxas moderadoras se acrescentarem também as despesas de deslocação, a conclusão é idêntica: os custos têm cada vez menos impacto.

No caso da consulta externa/especialidade num hospital público, por exemplo, não foram realizadas 637.132 consultas, valor que representa uma redução de 3,4% na atividade perdida face a 2017, ano em que ficaram por realizar mais de um milhão de consultas.

Foi também avaliado o índice global do estado de saúde dos portugueses, que se encontra nos 74,4 pontos - numa escala de 0 a 100, em que 100 corresponde ao estado de saúde ideal. Se a este índice fosse retirado o contributo do SNS, o valor ficaria apenas pelos 54,6 pontos.
 
19tm14f
02 de Abril de 2019
1914Pub3f19tm14f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.02.2020

Mais de 13 mil médicos estão registados na PEM Móvel

No dia em que se assinala o primeiro ano de existência da Aplicação de Prescrição Eletrónica Médica...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 CHULC promove 5.º Curso Clínico de Autoimunidade

A Unidade de Doenças Autoimunes do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) vai rea...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 Parlamento aprova despenalização da eutanásia

O Parlamento aprovou esta quinta-feira na generalidade os cinco projetos para despenalização da mort...

20.02.2020

Falta de médicos é «problema antigo», diz diretor clínico do HSM

O diretor clínico do Hospital de Santa Maria (HSM), Luís Pinheiro, disse esta quarta-feira aos deput...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Médicos defendem o fim da tortura e negligência médica a Julian Assange

Numa carta publicada no início desta semana na revista The Lancet, um grupo de médicos de 18 países...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

 «Farmacovigilância – partilha de responsabilidade»

 No próximo dia 5 de março, o Infarmed promove uma sessão de Manhãs Informativas dedicada ao tema «F...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.