Modelo tem com base o acompanhamento digital do utente doentes de Braga

por Teresa Mendes | foto de "DR" https://www.med.uminho.pt | 08.04.2019

Modelo tem com base o acompanhamento digital do utente 
O comissário europeu Carlos Moedas inaugurou, esta segunda-feira, o Centro de Medicina Digital P5, na Universidade do Minho, em Braga, que vai testar um novo modelo de cuidados de saúde, com base no acompanhamento digital do utente.

O projeto-piloto vai abranger, numa primeira fase, 15 mil utentes e três unidades de saúde familiar (USF) do distrito de Braga.

Esta experiência, que resulta de uma parceria entre a Escola de Medicina da Universidade do Minho e a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, deverá depois ser generalizada a todo o território nacional.

O projeto alicerça-se na «criação de pontes entre os diferentes níveis de cuidados, promovendo a autonomia do doente na gestão da sua saúde num ambiente de grande proximidade», pode ler-se num comunicado publicado no site da Universidade do Minho, acrescentando que «no período entre as consultas médicas e de enfermagem, o doente permanece acompanhado pelo sistema, recebendo e enviando informação útil para o Centro de Medicina Digital P5».
 
Essa informação servirá para o desenvolvimento de planos personalizados de intervenção que, depois de validados pelas equipas das Unidades de Saúde Familiar (USF), serão promovidos pela equipa do P5 junto do utente.

Segundo os autores do projeto, «este modelo permitirá aos utentes adotarem estilos de vida mais saudáveis, prevenir situações de doença, detetar precocemente doenças já estabelecidas e reduzir a ocorrência de complicações graves como, por exemplo, um enfarte cardíaco ou um AVC», sendo a proximidade entre doente e serviços de saúde «um pilar fundamental do projeto». 

O projeto alicerça-se na «criação de pontes entre os diferentes níveis de cuidados, promovendo a autonomia do doente na gestão da sua saúde num ambiente de grande proximidade»

A doença crónica é o foco no arranque do P5, tendo a equipa (formada por médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e outros profissionais) definido a diabetes mellitus e a hipertensão arterial como doenças-alvo para acompanhamento.
Estas duas doenças afetam, no seu conjunto, cerca de três milhões de pessoas em Portugal. 

O P5 contará, numa primeira fase, com três USF piloto - USF Manuel Rocha Peixoto (Braga), USF S. Miguel-o-Anjo (Vila Nova de Famalicão) e USF Saúde Oeste (Sequeira, Braga) -, onde será feito o acompanhamento personalizado aos utentes que tenham diabetes ou hipertensão arterial, monitorizando e controlando de forma mais eficaz estas doenças e, por conseguinte, conquistando melhores resultados para a saúde de cada um dos pacientes envolvidos.

«O uso de recursos digitais permitirá, em pouco tempo, alargar o campo de intervenção do P5 e multiplicar os benefícios de uma intervenção personalizada e em proximidade que pode ser realizada à distância e expandida para todo o território nacional», destaca a nota à Imprensa
 
19tm15a
08 de Abril de 2019
1915Pub2f19tm15a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Transplante de órgãos aumentou 2% no primeiro semestre de 2019

A transplantação de órgãos em Portugal aumentou no primeiro semestre do ano em cerca de 2% - o equiv...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

Aprovada a nova Lei de Bases da Saúde

Após vários avanços e recuos, o Parlamento aprovou sexta-feira o diploma da Lei de Bases da Saúde, q...

22.07.2019

Seguro público na Saúde é «aumento encapotado de impostos»

Em resposta à ideia de Francisco Ramos, secretário de Estado da Saúde, de criar um «um seguro comple...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Nove em cada 10 idosos seguidos CSP sentem-se sozinhos

Nove em cada 10 idosos seguidos nos cuidados de saúde primários (CSP) sentem algum grau de solidão,...

por Teresa Mendes | 19.07.2019

 18.º ENIJMF vai apostar em sessões out-of-the-box!

Este ano, em Évora, o 18.º Encontro de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF) «fará uma grand...

por Teresa Mendes | 18.07.2019

«A situação na saúde no Algarve é muito grave»

Faltam meios humanos, técnicos e infraestruturais no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHU...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.