Portugal pode aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos realizados

por Teresa Mendes | 11.04.2019

Estudo  conclui que cada euro investido gera um retorno de 1,99 euros
Portugal tem capacidade para aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos por um milhão de habitantes, segundo um estudo da Apifarma, elaborado pela consultora PwC.

De acordo com a análise realizada, este potencial de crescimento «corresponde à realização de 506 ensaios clínicos», quando comparamos o nosso país com outros de dimensão semelhante ou inferior.

O documento, publicado no site da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica, evidencia as principais barreiras ao desenvolvimento de ensaios clínicos no país e, para cada um dos obstáculos aponta medidas «para colocar Portugal no radar do investimento em Investigação Clínica».

Portugal tem capacidade para aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos por um milhão de habitantes, segundo um estudo da Apifarma, elaborado pela consultora PwC. De acordo com a análise realizada, este potencial de crescimento «corresponde à realização de 506 ensaios clínicos», quando comparamos o nosso país com outros de dimensão semelhante ou inferior

Como principais fatores competitivos, o estudo identifica como vantagens de realizar ensaios clínicos em Portugal «a elevada capacidade de trabalho e competência dos investigadores», bem como a «alta qualidade dos dados produzidos».

 O estudo evidencia igualmente o impacto económico total dos ensaios clínicos na economia em 2017, estimado em «cerca de 87,3 milhões de euros», sendo que «cada euro investido na atividade de ensaios clínicos gera um retorno de 1,99 euros na economia portuguesa», lê-se na publicação.

Esta é, portanto, «uma das atividades com maior retorno de investimento do país», destaca a Apifarma, num comunicado.

Esta Associação assume como objetivo que este estudo, agora divulgado, possa «constitui um verdadeiro contributo para relançar a importância do I&D, projetando Portugal para uma posição competitiva nesta matéria».

O estudo pode ser consultado na íntegra aqui
 
19tm15m
10 de Abril de 2019
1915Pub5f19tm15m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Melhoria do SNS «cabe a todos»

Melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais e aumentar a sua produtividade e reforçar o...

18.09.2019

Falta de medicamentos: Doentes alertam para «realidade assustadora»

Setenta associações de doentes enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a «realidade assustador...

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Curso de Atualização em Medicina Interna 2019 decorre de 18 a 23 de novemb...

Estão abertas as inscrições para o 2.º Curso de Atualização em Medicina Interna 2019, uma iniciativa...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.