Portugal pode aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos realizados

por Teresa Mendes | 11.04.2019

Estudo  conclui que cada euro investido gera um retorno de 1,99 euros
Portugal tem capacidade para aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos por um milhão de habitantes, segundo um estudo da Apifarma, elaborado pela consultora PwC.

De acordo com a análise realizada, este potencial de crescimento «corresponde à realização de 506 ensaios clínicos», quando comparamos o nosso país com outros de dimensão semelhante ou inferior.

O documento, publicado no site da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica, evidencia as principais barreiras ao desenvolvimento de ensaios clínicos no país e, para cada um dos obstáculos aponta medidas «para colocar Portugal no radar do investimento em Investigação Clínica».

Portugal tem capacidade para aumentar 3,7 vezes o número de ensaios clínicos por um milhão de habitantes, segundo um estudo da Apifarma, elaborado pela consultora PwC. De acordo com a análise realizada, este potencial de crescimento «corresponde à realização de 506 ensaios clínicos», quando comparamos o nosso país com outros de dimensão semelhante ou inferior

Como principais fatores competitivos, o estudo identifica como vantagens de realizar ensaios clínicos em Portugal «a elevada capacidade de trabalho e competência dos investigadores», bem como a «alta qualidade dos dados produzidos».

 O estudo evidencia igualmente o impacto económico total dos ensaios clínicos na economia em 2017, estimado em «cerca de 87,3 milhões de euros», sendo que «cada euro investido na atividade de ensaios clínicos gera um retorno de 1,99 euros na economia portuguesa», lê-se na publicação.

Esta é, portanto, «uma das atividades com maior retorno de investimento do país», destaca a Apifarma, num comunicado.

Esta Associação assume como objetivo que este estudo, agora divulgado, possa «constitui um verdadeiro contributo para relançar a importância do I&D, projetando Portugal para uma posição competitiva nesta matéria».

O estudo pode ser consultado na íntegra aqui
 
19tm15m
10 de Abril de 2019
1915Pub5f19tm15m

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.