ARS vão definir quais as especialidades necessárias nas Urgências Metropolitanas

por Teresa Mendes | 11.04.2019

Tutela defende aposta na «solidariedade e responsabilidade dos hospitais» 
O Ministério da Saúde incumbiu as Administrações Regionais de Saúde (ARS) de definir as especialidades médicas e cirúrgicas necessárias à prestação de cuidados e serviços de saúde nas Urgências Metropolitanas (UM), os locais de funcionamento e respetivos recursos humanos.

O objetivo é responder às «dificuldades crescentes» na oferta permanente destes cuidados.

Um despacho, publicado esta quarta-feira no Diário da República, justifica a medida, alegando que os hospitais e centros hospitalares das diferentes áreas metropolitanas com responsabilidade de manutenção de urgências «enfrentam dificuldades crescentes na manutenção de uma oferta permanente de apoio aos utentes da sua área de influência».

Desta forma, as ARS ficam incumbidas de celebrar protocolos com as instituições hospitalares que prevejam, nomeadamente, a existência de um órgão de coordenação e acompanhamento, o modo de afetação dos recursos humanos médicos, bem como a forma de constituição das equipas e rotação.
 
O diploma, assinado pela secretária de Estado, Raquel Duarte, diz ainda que ao longo dos anos o modelo de UM, que remonta aos anos 90, tem evoluído e, por essa razão, é necessário «introduzir ajustamentos, com base nos recursos humanos atualmente disponíveis e nas diversas experiências de UM que foram sendo implementadas».

O Ministério da Saúde incumbiu as ARS de definir as especialidades médicas e cirúrgicas necessárias à prestação de cuidados e serviços de saúde nas Urgências Metropolitanas, os locais de funcionamento e respetivos recursos humanos 

«Importa definir e fazer participar todas as instituições hospitalares das áreas Metropolitanas, na organização da resposta de especialidades médicas e cirúrgicas e na prestação de cuidados das mesmas durante o período de atendimento urgente noturno, das 20h às 08h, todos os dias da semana», salienta a Tutela, que contará ainda com a «solidariedade, complementaridade e responsabilidade dos hospitais, com vista a assegurar uma resposta de qualidade dos serviços de saúde aos doentes das diversas regiões do País».
 
19tm15o
11 de Abril de 2019
1915Pub5f19tm15o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.