ARS vão definir quais as especialidades necessárias nas Urgências Metropolitanas

por Teresa Mendes | 11.04.2019

Tutela defende aposta na «solidariedade e responsabilidade dos hospitais» 
O Ministério da Saúde incumbiu as Administrações Regionais de Saúde (ARS) de definir as especialidades médicas e cirúrgicas necessárias à prestação de cuidados e serviços de saúde nas Urgências Metropolitanas (UM), os locais de funcionamento e respetivos recursos humanos.

O objetivo é responder às «dificuldades crescentes» na oferta permanente destes cuidados.

Um despacho, publicado esta quarta-feira no Diário da República, justifica a medida, alegando que os hospitais e centros hospitalares das diferentes áreas metropolitanas com responsabilidade de manutenção de urgências «enfrentam dificuldades crescentes na manutenção de uma oferta permanente de apoio aos utentes da sua área de influência».

Desta forma, as ARS ficam incumbidas de celebrar protocolos com as instituições hospitalares que prevejam, nomeadamente, a existência de um órgão de coordenação e acompanhamento, o modo de afetação dos recursos humanos médicos, bem como a forma de constituição das equipas e rotação.
 
O diploma, assinado pela secretária de Estado, Raquel Duarte, diz ainda que ao longo dos anos o modelo de UM, que remonta aos anos 90, tem evoluído e, por essa razão, é necessário «introduzir ajustamentos, com base nos recursos humanos atualmente disponíveis e nas diversas experiências de UM que foram sendo implementadas».

O Ministério da Saúde incumbiu as ARS de definir as especialidades médicas e cirúrgicas necessárias à prestação de cuidados e serviços de saúde nas Urgências Metropolitanas, os locais de funcionamento e respetivos recursos humanos 

«Importa definir e fazer participar todas as instituições hospitalares das áreas Metropolitanas, na organização da resposta de especialidades médicas e cirúrgicas e na prestação de cuidados das mesmas durante o período de atendimento urgente noturno, das 20h às 08h, todos os dias da semana», salienta a Tutela, que contará ainda com a «solidariedade, complementaridade e responsabilidade dos hospitais, com vista a assegurar uma resposta de qualidade dos serviços de saúde aos doentes das diversas regiões do País».
 
19tm15o
11 de Abril de 2019
1915Pub5f19tm15o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.