Hospital de Braga passa a ter gestão pública a partir de 1 de setembro

por Teresa Mendes | 15.04.2019

PPP será reavaliada num prazo até cinco anos
Tal como assegurado no início de fevereiro pela ministra da Saúde no Parlamento, o Governo decidiu pôr termo aos trabalhos de preparação do lançamento de uma nova parceria público-privada (PPP) para a gestão clínica do Hospital de Braga.

Um despacho publicado esta sexta-feira no Diário da República assinado pelos  secretários de Estado das Finanças e da Saúde, determina a «reavaliação da oportunidade» de lançamento de uma nova PPP, num prazo até cinco anos a contar da data de constituição da pessoa coletiva pública que assumirá a gestão clínica daquele hospital.

O Hospital de Braga funciona, desde 2009, em regime de PPP, sendo gerido pelo Grupo José de Mello Saúde, num contrato que termina em 31 de agosto.

«O processo de reversão para a esfera pública da gestão do Hospital de Braga, a partir de 1 de setembro próximo, sendo uma consequência natural do término do contrato em vigor, tornou-se inevitável, porquanto o parceiro privado não se mostrou disponível para renovar o actual contrato em condições legalmente admissíveis», refere o despacho, acrescentando que a  reversão da gestão do Hospital de Braga para a esfera pública «constitui um processo complexo e demorado, porquanto exige diversas alterações aos processos de gestão previamente instituídos».

Tal como assegurado no início de fevereiro pela ministra da Saúde no Parlamento, o Governo decidiu pôr termo aos trabalhos de preparação do lançamento de uma nova parceria público-privada (PPP) para a gestão clínica do Hospital de Braga

O normativo salienta igualmente que a eventual passagem da gestão desse hospital novamente para um modelo de PPP «aconselha que o processo de internalização esteja plenamente consolidado, por forma a, nomeadamente, assegurar a estabilidade do estabelecimento e consequente definição do estabelecimento a transmitir».

«Assim, revertendo a gestão clínica do Hospital para a esfera pública, a preparação, à qual já se deu início, dos diversos instrumentos de gestão relevantes para a assunção da mesma por uma pessoa coletiva pública a constituir em breve, desaconselha a manutenção, em paralelo, e no imediato, da preparação de lançamento de novo procedimento concursal para a gestão clínica daquele Hospital, uma vez que é imperativo e indispensável previamente assegurar a estabilidade e a solidez da gestão pública daquele hospital», lê-se no diploma.
 
19tm16b
15 de Abril de 2019
1916Pub2f19tm16b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.