Acto Médico é um «instrumento para defender os doentes»

por Teresa Mendes | 15.04.2019

Médicos alertam para perigos das terapêuticas não convencionais
O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) e o presidente do Conselho Regional do Centro (CRC) alertaram para os perigos das terapêuticas não convencionais, considerando que o regulamento do Ato Médico, em discussão pública, é um «instrumento para defender os doentes».

À margem de um debate sobre o tema, que decorreu no passado dia 11, em Coimbra, o bastonário Miguel Guimarães disse aos jornalistas que a legislação sobre o Ato médico, que devia ser da responsabilidade da Assembleia da República, tal como está definido na atual Lei de Bases da Saúde, e da responsabilidade também do próprio Ministério, «infelizmente, por interesses que desconhecemos, provavelmente económicos, das terapêuticas não convencionais não avançou». 

Também em declarações aos jornalistas, Carlos Cortes, presidente do CRC, afirmou que «a OM pretende criar um instrumento para defender os doentes, para que todos tenham direito e acesso a cuidados de saúde de qualidade», lembrando que atualmente «existem muitas práticas sem evidência em Portugal e que colocam em perigo para os doentes».

 «Isto [o regulamento do Ato Médico] é uma defesa para os doentes. A Lei de Bases da Saúde, publicada em 1990, prevê o Ato Médico, mas nunca foi legislado. Faltou a regulamentação necessária e, como tal, existe um vazio na legislação portuguesa», salientou o responsável.

«A OM pretende criar um instrumento para defender os doentes, para que todos tenham direito e acesso a cuidados de saúde de qualidade», lembrando Carlos Cortes que atualmente «existem muitas práticas sem evidência em Portugal e que colocam em perigo para os doentes» 

Recorde-se que a proposta do Regulamento do Ato Médico está em debate público até ao próximo dia 18, devendo o documento final, após aprovação pela Assembleia de Representantes da Ordem dos Médicos, estar concluído dentro de dois meses.

O debate, que decorreu ao final da tarde do dia 11 de abril, foi moderado pelo médico psiquiatra António Reis (que fez parte da primeira comissão que negociou o Ato Médico, por nomeação do Conselho Nacional Executivo para negociar a legislação sobre o Ato Médico). 

Foram oradores, para além do bastonário e do presidente do CRC, o professor de Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, André Dias Pereira.
 
19tm16a
15 de Abril de 2019
1916Pub2f19tm16a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.