Fnam apoia projeto de regulamento do Acto médico da OM

por Teresa Mendes | 16.04.2019

«A carreira médica é a garantia da qualidade do exercício da Medicina»
A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) manifestou publicamente esta segunda-feira o seu «apoio» à iniciativa da Ordem dos Médicos (OM) que define o ato médico. Para o sindicato, a carreira médica, a par do Serviço Nacional de Saúde (SNS), «é a garantia da qualidade do exercício da Medicina».

«Só a carreira médica permite a necessária diferenciação técnico-científica, garantindo ao médico uma estrutura de trabalho organizada e a sua autonomia técnico-científica», defende a Fnam num comunicado publicado no seu site, acrescentando que «é também a sucessiva especialização que mantém a qualidade da formação dos médicos mais novos».
 
Na opinião do sindicato, a carreira médica é «uma forma de trabalho assente na complementaridade, que permite uma troca técnico-científica bilateral, sem intersubstituição das diferentes capacidades».

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) manifestou publicamente esta segunda-feira o seu «apoio» à iniciativa da Ordem dos Médicos (OM) que define o ato médico. Para o sindicato, a carreira médica, a par do Serviço Nacional de Saúde (SNS), «é a garantia da qualidade do exercício da Medicina»

Na nota à Imprensa, a Fnam recorda que, em 2009, assinou os Decretos-Lei n.º 176 e 177, onde foi definido pela primeira vez o «Perfil profissional» do médico como «o profissional legalmente habilitado ao exercício da medicina, capacitado para o diagnóstico, tratamento, prevenção ou recuperação de doenças ou outros problemas de saúde, e apto a prestar cuidados e a intervir sobre indivíduos, conjuntos de indivíduos ou grupos populacionais, doentes ou saudáveis, tendo em vista a proteção, melhoria ou manutenção do seu estado e nível de saúde».

Desta forma, aquela estrutura sindical defende «a criação da carreira médica nos diferentes locais de trabalho dos médicos, como espelhado nas negociações com entidades do sector público, social ou privado, uma vez que esta é a principal contribuidora da qualidade do ato médico, da diferenciação e da autonomia técnico-científica».

O comunicado pode ser lido na íntegra aqui.
 
19tm16f
16 de Abril de 2019
1916Pub3f19tm16f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Covid-19: SIM apresenta queixa à Provedoria de Justiça por discriminação do...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apresentou queixa à Provedora de Justiça contra o que diz...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

HGO: Médicos ameaçam demissão em bloco após afastamento do diretor de Obste...

Os médicos do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Garcia de Orta<br /> (HGO), em Almad...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

CEMP contra aumento de vagas nos cursos de medicina

Numa carta aberta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Escolas Médica...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Mais de 60% da população com níveis baixos de atividade física durante o co...

Durante o período de confinamento devido à pandemia de Covid-19, os portugueses praticaram menos ati...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.