APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primárias

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Semana mundial dedicada às IDP decorre até 29 de abril
Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a Associação Portuguesa de Doentes com Imunodeficiências Primárias (APDIP) reivindica para os doentes portugueses o estatuto de doentes crónicos e a regulamentação do tratamento domiciliário, por via de administração de imunoglobulina subcutânea no domicílio.

Num comunicado, aquela Associação lembra que as imunodeficiências primárias (IDP) integram mais de 350 doenças raras e crónicas, causadas por defeitos genéticos, nas quais parte do sistema imunitário está afetado, por vezes de forma muito grave, sendo o seu diagnóstico nem sempre fácil.

«Os principais desafios do âmbito do diagnóstico das IDP são a necessidade de maior divulgação dos sinais de alerta entre médicos de Medicina Geral e Familiar, Pediatria e Medicina Interna.

Estes sinais devem motivar a referenciação para centros de referência onde existe diferenciação clínica e acesso a laboratórios diferenciados para o diagnóstico.

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a Associação Portuguesa de Doentes com Imunodeficiências Primárias (APDIP) reivindica para os doentes portugueses o estatuto de doentes crónicos e a regulamentação do tratamento domiciliário 

A curto prazo seria também importante avançar para a implementação do rastreio neonatal precoce de imunodeficiência grave, que poderá ser acoplado ao teste do “Pezinho”, à semelhança do que já se passa em muitos países», sublinha a imunoalergologista Susana Lopes da Silva.

Muitas destas IDP revelam sintomas nos primeiros meses de vida, pelo que «os pais devem estar atentos a um possível aumento da frequência/gravidade das infeções, sobretudo com impacto no desenvolvimento da criança, a doenças autoimunes, sobretudo em crianças mais jovens e quando atingindo vários órgãos, a quadros de aumento de baço e gânglios linfáticos, etc.», acrescenta a especialista.

Apesar de o diagnóstico ser difícil, as IDP são tratáveis, permitindo aos portadores uma vida normal.

Em Portugal, segundo Ricardo Pereira, presidente da APDIP, «há condições para diagnosticar, acompanhar e tratar estes doentes, mas existem ainda aspetos a melhorar», nomeadamente «regulamentar o tratamento domiciliário, por via da administração de imunoglobulina subcutânea em casa».

«Os doentes tratados com imunoglobulina endovenosa fazem o tratamento em meio hospitalar, os doentes tratados com imunoglobulina subcutânea fazem-no no conforto da sua casa, sendo este tratamento a opção preferível em muitos casos, pela comodidade e menor risco de infeção para estas pessoas, que têm já um sistema imunitário fragilizado.

No entanto, esta forma de tratamento precisa de ser devidamente regulamentada, o que ainda não aconteceu até hoje», sublinha o responsável.

Susana Lopes da Silva destaca ainda que «é necessária a obtenção do estatuto de doença crónica para estes doentes e o desenvolvimento de um centro nacional para a referenciação de doentes para transplante de células hematopoiéticas».

Para assinalar a Semana Mundial das Imunodeficiências Primárias, a APDIP vai promover a V Caminhada pela Saúde, no próximo dia 28 de abril no Parque das Nações, em Lisboa.

Mais informações aqui ou aqui 

19tm17e
23 de Abril de 2019
1917Pub3f19tm17e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Transplante de órgãos aumentou 2% no primeiro semestre de 2019

A transplantação de órgãos em Portugal aumentou no primeiro semestre do ano em cerca de 2% - o equiv...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

Aprovada a nova Lei de Bases da Saúde

Após vários avanços e recuos, o Parlamento aprovou sexta-feira o diploma da Lei de Bases da Saúde, q...

22.07.2019

Seguro público na Saúde é «aumento encapotado de impostos»

Em resposta à ideia de Francisco Ramos, secretário de Estado da Saúde, de criar um «um seguro comple...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Nove em cada 10 idosos seguidos CSP sentem-se sozinhos

Nove em cada 10 idosos seguidos nos cuidados de saúde primários (CSP) sentem algum grau de solidão,...

por Teresa Mendes | 19.07.2019

 18.º ENIJMF vai apostar em sessões out-of-the-box!

Este ano, em Évora, o 18.º Encontro de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF) «fará uma grand...

por Teresa Mendes | 18.07.2019

«A situação na saúde no Algarve é muito grave»

Faltam meios humanos, técnicos e infraestruturais no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHU...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.