SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Legal

por Teresa Mendes | foto de "DR" https://www.simedicos.pt | 23.04.2019

Sindicato diz não ter sido ouvido
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadamente «a possibilidade de greve» dos profissionais do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF).
Em causa a alteração ao funcionamento das perícias médico-legais sem que o sindicato tenha sido ouvido.

Recorde-se que o Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira uma proposta de lei que permite ao INMLCF a realização de autópsias aos fins de semana e feriados com o objetivo de «melhorar a capacidade e eficiência da resposta pericial por parte do instituto».

Num comunicado, o SIM lembra que esta proposta acontece um ano após os sindicatos terem concordado no acordo coletivo de empregador público (ACEP) no INMLCF, aguardando que a mesma «contemple o que foi acordado e que o Parlamento não se esqueça de consultar os sindicatos a bem da contratação coletiva e da legislação».

Na mesma nota à Imprensa, aquela estrutura sindical salienta que «o atraso na entrada em vigor do ACEP está a agravar a profunda crise que o INMLCF atravessa».

O Sindicato Independente dos Médicos pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadamente «a possibilidade de greve» dos profissionais do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses. Em causa a alteração ao funcionamento das perícias médico-legais sem que o sindicato tenha sido ouvido

«A falta de investimento nas infraestruturas físicas, falta de concursos regulares, a escassez de profissionais médicos (com inerente necessidade de recurso a peritos com contrato em regime de avença) e os problemas crónicos verificados na progressão na carreira médica levam a que a própria capacidade formativa e de sustentabilidade a médio e a longo prazo desta especialidade estejam em risco», sublinha o comunicado.

O SIM reforça ainda que «a ministra da Justiça se recusa a receber os sindicatos para resolver esta situação» e que perante estes acontecimentos, «irá reunir com a Fnam para decidir o endurecimento das formas de luta nomeadamente a possibilidade de greve».

19tm17f
23 de Abril de 2019
1917Pub3f19tm17f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Transplante de órgãos aumentou 2% no primeiro semestre de 2019

A transplantação de órgãos em Portugal aumentou no primeiro semestre do ano em cerca de 2% - o equiv...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

Aprovada a nova Lei de Bases da Saúde

Após vários avanços e recuos, o Parlamento aprovou sexta-feira o diploma da Lei de Bases da Saúde, q...

22.07.2019

Seguro público na Saúde é «aumento encapotado de impostos»

Em resposta à ideia de Francisco Ramos, secretário de Estado da Saúde, de criar um «um seguro comple...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Nove em cada 10 idosos seguidos CSP sentem-se sozinhos

Nove em cada 10 idosos seguidos nos cuidados de saúde primários (CSP) sentem algum grau de solidão,...

por Teresa Mendes | 19.07.2019

 18.º ENIJMF vai apostar em sessões out-of-the-box!

Este ano, em Évora, o 18.º Encontro de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF) «fará uma grand...

por Teresa Mendes | 18.07.2019

«A situação na saúde no Algarve é muito grave»

Faltam meios humanos, técnicos e infraestruturais no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHU...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.