SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Legal

por Teresa Mendes | foto de "DR" https://www.simedicos.pt | 23.04.2019

Sindicato diz não ter sido ouvido
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadamente «a possibilidade de greve» dos profissionais do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF).
Em causa a alteração ao funcionamento das perícias médico-legais sem que o sindicato tenha sido ouvido.

Recorde-se que o Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira uma proposta de lei que permite ao INMLCF a realização de autópsias aos fins de semana e feriados com o objetivo de «melhorar a capacidade e eficiência da resposta pericial por parte do instituto».

Num comunicado, o SIM lembra que esta proposta acontece um ano após os sindicatos terem concordado no acordo coletivo de empregador público (ACEP) no INMLCF, aguardando que a mesma «contemple o que foi acordado e que o Parlamento não se esqueça de consultar os sindicatos a bem da contratação coletiva e da legislação».

Na mesma nota à Imprensa, aquela estrutura sindical salienta que «o atraso na entrada em vigor do ACEP está a agravar a profunda crise que o INMLCF atravessa».

O Sindicato Independente dos Médicos pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadamente «a possibilidade de greve» dos profissionais do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses. Em causa a alteração ao funcionamento das perícias médico-legais sem que o sindicato tenha sido ouvido

«A falta de investimento nas infraestruturas físicas, falta de concursos regulares, a escassez de profissionais médicos (com inerente necessidade de recurso a peritos com contrato em regime de avença) e os problemas crónicos verificados na progressão na carreira médica levam a que a própria capacidade formativa e de sustentabilidade a médio e a longo prazo desta especialidade estejam em risco», sublinha o comunicado.

O SIM reforça ainda que «a ministra da Justiça se recusa a receber os sindicatos para resolver esta situação» e que perante estes acontecimentos, «irá reunir com a Fnam para decidir o endurecimento das formas de luta nomeadamente a possibilidade de greve».

19tm17f
23 de Abril de 2019
1917Pub3f19tm17f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.