Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-se

por Teresa Mendes | 24.04.2019

DGS admite alargar vacina contra a pneumonia
A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média europeia.
Apesar deste número alarmante, 55% dos doentes adultos com risco acrescido de contrair a doença não são aconselhados pelo médico de família a vacinar-se.

Esta é a conclusão de um estudo do Movimento Doentes Pela Vacinação (MOVA) «Perceções sobre Vacinação», divulgado hoje pela TSF, numa altura em que decorre a Semana Europeia da Vacinação.

Isabel Saraiva, fundadora do MOVA e presidente da Fundação Europeia do Pulmão, admite que os dados são «preocupantes» e aconselha os clínicos a estarem «ainda mais atentos às condições de saúde dos doentes que assistem e acompanham, apostando na prevenção».

A especialista considera que «é preciso informar e semear conhecimento» entre os profissionais de saúde, mas também entre a população em geral para combater os mitos sobre a vacinação. «Muitas vezes as pessoas pensam que as vacinas são matéria de infância e juventude e que a partir da idade adulta não há tanta necessidade de vacinas.

Por outro lado, as pessoas sabem que a pneumonia é uma doença grave e mortal, mas não passa disso. Há um desfasamento entre o conhecimento que as pessoas dizem ter da doença e o passo que têm que dar para evitá-la», alerta a responsável.

O estudo do MOVA, ao qual a TSF teve acesso, revela ainda que menos de metade dos adultos fala de vacinas quando vai ao médico e que 66% desconhece a existência da vacina para a pneumonia.

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média europeia. Apesar deste número alarmante, 55% dos doentes adultos com risco acrescido de contrair a doença não são aconselhados pelo médico de família a vacinar-se 

«A taxa de mortalidade por pneumonia em Portugal é o dobro da taxa de mortalidade da União Europeia. Estamos certos de que uma maior cobertura de vacinação será muito importante para as doenças crónicas, grupos de risco e para as pessoas acima dos 65 anos», acrescenta a fundadora do MOVA.

Ontem, numa entrevista ao Público, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu que está a ser estudada a hipótese de alargar a vacina a todas as pessoas acima dos 65 anos, algo há muito pedido pelos pneumologistas.

Recorde-se que atualmente a vacina só faz parte do Programa Nacional de Vacinação (PNV) para crianças e adultos que integram grupos de risco.

O estudo do MOVA contou com a participação de 661 inquiridos, maiores de 18 anos, residentes em Portugal, e decorreu entre 25 de março e 16 de abril de 2019.

19tm17i
24 de Abril de 2019
1917Pub4f19tm17i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Covid-19: SIM apresenta queixa à Provedoria de Justiça por discriminação do...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apresentou queixa à Provedora de Justiça contra o que diz...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

HGO: Médicos ameaçam demissão em bloco após afastamento do diretor de Obste...

Os médicos do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Garcia de Orta<br /> (HGO), em Almad...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

CEMP contra aumento de vagas nos cursos de medicina

Numa carta aberta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Escolas Médica...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Este é o momento de contratar mais médicos e de recuperar as carreiras» 

«O nosso trabalho é salvar vidas, ajudar os portugueses e ajudar o país.»<br /> <br /> Foi desta f...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.