Insuficiência cardíaca mata até três vezes mais que o cancro da mama

26.04.2019

Alerta da SPC na véspera do seu congresso anual
A insuficiência cardíaca, que é responsável por duas a três vezes mais mortes do que o cancro da mama e do cólon, está a aumentar, segundo a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC).

Neste momento, já afeta meio milhão de portugueses. O alerta surge na véspera do Congresso Português de Cardiologia, que decorre em Vilamoura entre os dias 27 e 29 de abril.

Em declarações à Lusa, esta sexta-feira, o presidente da SPC, Vitor Gil, adianta que «o número de mortes por insuficiência cardíaca pode aumentar em 73% em 2036» e que «a carga da doença, que engloba os anos de vida perdidos por morte e incapacidade, vai crescer 28% relativamente a 2014».

Apesar dos dados divulgados esta semana, que indicam uma falta de conhecimento dos sintomas da doença por grande parte da população, «os portugueses identificam os sintomas e procuram um médico, mas por vezes associam mais à idade do que à insuficiência cardíaca». 

A insuficiência cardíaca, que é responsável por duas a três vezes mais mortes do que o cancro da mama e do cólon, está a aumentar, segundo a Sociedade Portuguesa de Cardiologia

«A falta de ar e o cansaço levam as pessoas a procurarem o médico, podem é não chamar insuficiência cardíaca a isso», afirma Vitor Gil, que defende que é preciso aumentar a literacia e, sobretudo, facilitar o acesso aos cuidados de saúde necessários.

«Tentar aumentar literacia é extremamente importante, mas tão importante ou mais é facilitar o acesso das pessoas. É frequente haver pessoas que estão preocupadas e não têm acesso imediato ao especialista ou até ao médico de família», advertiu o responsável.

Vitor Gil defende igualmente uma melhor estratégia de ligação entre hospitais e cuidados de proximidade. «É preciso uma estratégia multidisciplinar e de colaboração porque os doentes não são de ninguém, nem do cardiologista, nem do clínico geral.

O doente deve ser seguido de acordo com a sua situação na altura», considera, frisando que é preciso também fomentar a colaboração institucional entre centros de saúde e hospitais.

«Estimula-se que os médicos de família enviem doentes para os hospitais, mas pedir aos médicos de família para fazerem exames auxiliares de diagnóstico em ambulatório não é encorajado porque os orçamentos são diferentes. Isso facilitaria muito a vida dos hospitais, porque aliviava a carga dos exames auxiliares de diagnóstico em doentes de ambulatório», concluiu.

No congresso que decorre entre sábado e segunda-feira, a SPC vai promover, no Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura, um treino com 12 mil pessoas em Suporte Básico de Vida para sensibilizar a população para a morte súbita.

E AINDA

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Este é o momento de contratar mais médicos e de recuperar as carreiras» 

«O nosso trabalho é salvar vidas, ajudar os portugueses e ajudar o país.»<br /> <br /> Foi desta f...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

Sem confinamento SNS teria de atender três vezes mais doentes graves com Co...

Se o estado de emergência não tivesse vigorado em Portugal nos primeiros 15 dias de abril, as unidad...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Saldo do SNS em abril agravou-se 11,3 milhões de euros 

Em abril, o saldo do Serviço Nacional de Saúde (SNS) situou-se nos 149,2 milhões de euros negativos,...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Infarmed aprova financiamento de Keytruda® em combinação com pemetrexedo e...

O Infarmed aprovou, esta terça-feira, o financiamento de Keytruda® (pembrolizumab) em combinação com...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.