OM avança com auditoria ao processo de atribuição de capacidades formativas

por Teresa Mendes | 29.04.2019

Ordem está preocupada com as condições proporcionadas pelo SNS 
A Ordem dos Médicos (OM) decidiu avançar com uma auditoria externa e independente para avaliar o processo de atribuição de capacidades formativas para a formação especializada de jovens médicos.
O organismo justifica a decisão com a «preocupação com as condições proporcionadas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade».

«Perante o agravamento do desinvestimento no SNS, o preocupante desinteresse do Ministério e tendo em conta vários relatos e queixas de especialistas e de jovens médicos sobre as difíceis condições em que exercem o seu trabalho e a sua formação, a Ordem não podia esperar mais e iniciou o procedimento de concurso aberto para a contratação de uma empresa idónea e independente para realizar uma auditoria», lê-se num comunicado, divulgado hoje pela OM.

A Ordem dos Médicos decidiu avançar com uma auditoria externa e independente para avaliar o processo de atribuição de capacidades formativas para a formação especializada de jovens médicos. 
O organismo justifica a decisão com a «preocupação com as condições proporcionadas pelo SNS, com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade» 

A auditoria deve identificar e analisar o processo de atribuição de idoneidades e capacidades formativas, bem como os «constrangimentos existentes ao nível dos hospitais e centros de saúde que possam ter impacto» na formação de médicos.

O objetivo final é «melhorar todo o processo» de atribuição de idoneidade e capacidade formativa, «no sentido de continuar a garantir a elevada qualidade de formação e disponibilizar todas as capacidades formativas existentes nas várias unidades de saúde que assegurem internatos de qualidade inquestionável», sublinha a nota à Imprensa.

A OM considera que não se pode permitir que a «qualidade e excelência» da formação médica em Portugal «seja colocada em risco», seja por uma eventual quebra de qualidade, seja porque vários médicos ficam sem acesso a uma especialidade.

Recorde-se que há cerca de dois anos a OM tinha já proposto una auditoria externa e independente ao Ministério da Saúde. Contudo, nunca chegou a avançar.

19tm18a
29 de Abril de 2019
1918Pub2f19tm18a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Governo autoriza abertura de mais 446 camas de cuidados continuados

 O Governo autorizou a abertura de mais 446 camas de cuidados continuados integrados, que podem come...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral 2019 está em discussão pública

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) colocou em discussão pública, até ao próximo dia 1 de agosto, o Prog...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Apifarma lança «Prémio Cidadania em Saúde»

No âmbito das comemorações dos seus 80 anos, a Apifarma instituiu o «Prémio Cidadania em Saúde», que...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Foram aprovados mais do dobro de medicamentos inovadores no primeiro semes...

O Infarmed informou, esta quinta-feira, que no primeiro semestre de 2019 foram «concluídos 61 proces...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Saúde Mental é o «parente pobre da saúde em Portugal»

O Relatório de Primavera 2019, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), considera que...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Em Portugal «reina o mais profundo silêncio» sobre o VIH/Sida

Internacionalmente vive-se um período de entusiasmo e mobilização em torno do objetivo definido pelo...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.