OM avança com auditoria ao processo de atribuição de capacidades formativas

por Teresa Mendes | 29.04.2019

Ordem está preocupada com as condições proporcionadas pelo SNS 
A Ordem dos Médicos (OM) decidiu avançar com uma auditoria externa e independente para avaliar o processo de atribuição de capacidades formativas para a formação especializada de jovens médicos.
O organismo justifica a decisão com a «preocupação com as condições proporcionadas pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade».

«Perante o agravamento do desinvestimento no SNS, o preocupante desinteresse do Ministério e tendo em conta vários relatos e queixas de especialistas e de jovens médicos sobre as difíceis condições em que exercem o seu trabalho e a sua formação, a Ordem não podia esperar mais e iniciou o procedimento de concurso aberto para a contratação de uma empresa idónea e independente para realizar uma auditoria», lê-se num comunicado, divulgado hoje pela OM.

A Ordem dos Médicos decidiu avançar com uma auditoria externa e independente para avaliar o processo de atribuição de capacidades formativas para a formação especializada de jovens médicos. 
O organismo justifica a decisão com a «preocupação com as condições proporcionadas pelo SNS, com médicos a ficarem sem acesso a uma vaga de especialidade» 

A auditoria deve identificar e analisar o processo de atribuição de idoneidades e capacidades formativas, bem como os «constrangimentos existentes ao nível dos hospitais e centros de saúde que possam ter impacto» na formação de médicos.

O objetivo final é «melhorar todo o processo» de atribuição de idoneidade e capacidade formativa, «no sentido de continuar a garantir a elevada qualidade de formação e disponibilizar todas as capacidades formativas existentes nas várias unidades de saúde que assegurem internatos de qualidade inquestionável», sublinha a nota à Imprensa.

A OM considera que não se pode permitir que a «qualidade e excelência» da formação médica em Portugal «seja colocada em risco», seja por uma eventual quebra de qualidade, seja porque vários médicos ficam sem acesso a uma especialidade.

Recorde-se que há cerca de dois anos a OM tinha já proposto una auditoria externa e independente ao Ministério da Saúde. Contudo, nunca chegou a avançar.

19tm18a
29 de Abril de 2019
1918Pub2f19tm18a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

15.05.2019

Tempos de espera para cirurgias mais do que duplicaram

Quase 40% das consultas hospitalares a pedido dos cuidados de saúde primários (CSP) não foram realiz...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.