Carta aberta contra manutenção das PPP na saúde

30.04.2019

Subscritores pedem a António Costa que se oponha à gestão privada 
Dezenas de personalidades das áreas da Saúde, Política e Cultura assinaram uma carta aberta dirigida ao secretário-geral do Partido Socialista, que defende maior clareza na distinção entre público e privado e critica a manutenção das parcerias público-privadas.

Na missiva, hoje divulgada no jornal Público, personalidades como a ex-ministra da Saúde Ana Jorge, o cineasta António Pedro Vasconcelos, o músico Carlos Mendes, o médico Daniel Sampaio, a jornalista Diana Andringa e o historiador Fernando Rosas defendem que o argumento principal para a manutenção das Parcerias Público-Privadas (PPP) é falso.

«A proposta do Governo (…) mantém, no entanto, equívoca aquela distinção, quando consagra a possibilidade de os estabelecimentos públicos de prestação de cuidados públicos terem gestão privada», refere a carta, sublinhando que o principal argumento para as PPP – a eficiência da gestão privada – é falso.

«Nada mais falso, uma vez que os estabelecimentos com gestão pública estão obrigados à cobertura universal e geral, enquanto os estabelecimentos com gestão privada só estão obrigados à cobertura contratual», consideram os signatários.

Na carta, também assinada pela deputada do Parlamento Europeu Ana Gomes, pelo Economista Francisco Louçã, pela atriz Maria do Céu Guerra e por diversos médicos e enfermeiros, os signatários lembram que «o atual contexto político é favorável ao estabelecimento de fronteiras precisas entre os setores público, privado e social».

Os subscritores pedem a António Costa que se oponha à atual formulação da Lei de Bases da Saúde que está a ser negociada e que mantém a possibilidade de os estabelecimentos de cuidados de saúde públicos poderem ter gestão privada.

«É que as PP configuram um inequívoco conflito de interesses entre quem opera no mercado dos cuidados de saúde e gere simultaneamente estabelecimentos do setor público», sublinham.

Os signatários da carta aberta consideram ainda que «existem saberes, capacidades, competências e instrumentos de gestão suficientes para que a gestão do que é público seja pública».

«Reconhecendo a legitimidade da iniciativa privada na saúde, consideramos que cabe ao Estado a gestão das unidades que constituem o seu SNS», defendem.

Personalidades como a ex-ministra da Saúde Ana Jorge, o cineasta António Pedro Vasconcelos, o músico Carlos Mendes, o médico Daniel Sampaio, a jornalista Diana Andringa e o historiador Fernando Rosas defendem que o argumento principal para a manutenção das PPP é falso 

A missiva surge após a polémica sobre as negociações do texto da Lei de Bases da Saúde, tendo o Bloco de Esquerda apresentado o fim das parcerias público-privadas e o Governo esclarecido que não tinha sido fechado qualquer acordo nesse sentido.

Já na passada quarta-feira, o grupo parlamentar do PS propôs que as PPP na saúde, no futuro, passem a ter um caráter temporário «supletivo» em relação à gestão pública, requerendo uma explicação «devidamente fundamentada».

19tm18e
30 de Abril de 2019
1918Pub3f19tm18e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

16.07.2019

«A equidade cada vez depende mais do código postal», adverte bastonário

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, defendeu esta segunda-feira mais investime...

16.07.2019

 Ministra reconhece «assimetria muito grande» na distribuição de médicos no...

A ministra da Saúde reconheceu esta segunda-feira na Sertã, distrito de Castelo Branco, que continua...

16.07.2019

Ministra da Saúde defende quadro permanente de anestesistas na MAC

 A ministra da Saúde afirmou esta segunda-feira que não vai desistir de dotar a Maternidade Alfredo...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral 2019 está em discussão pública

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) colocou em discussão pública, até ao próximo dia 1 de agosto, o Prog...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Apifarma lança «Prémio Cidadania em Saúde»

No âmbito das comemorações dos seus 80 anos, a Apifarma instituiu o «Prémio Cidadania em Saúde», que...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Foram aprovados mais do dobro de medicamentos inovadores no primeiro semes...

O Infarmed informou, esta quinta-feira, que no primeiro semestre de 2019 foram «concluídos 61 proces...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.