Hematologia do CHUSJ duplica capacidade de transplantes

por Teresa Mendes | 02.05.2019

Serviço passa a integrar unidade de transplantação e uma área de tratamento
O Serviço de Hematologia Clínica do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, aumentou a lotação e duplicou a capacidade de transplantes, após as obras para a concentração de toda a atividade clínica no mesmo espaço, informa aquela unidade hospitalar num comunicado.

O Serviço de Hematologia Clínica concentra-se agora no piso 8, após as obras de união das duas vertentes (tratamento e transplantação), que estavam divididas há dez anos, terem terminado na passada segunda-feira.

Esta empreitada, com uma duração de um ano, teve um custo de 2,1 milhões de euros e envolveu uma «intervenção mais abrangente e estruturante para todo o internamento central-sul do hospital», explica a nota à Imprensa divulgada esta terça-feira.

O novo serviço, com uma área de 870 metros quadrados, passa então a integrar a Unidade de Transplantação com oito quartos de isolamento e uma área de tratamento de doentes leucémicos e hemato-oncológicos com 10 quartos de isolamento e 14 camas de enfermaria.

O novo serviço, com uma área de 870 metros quadrados, passa a integrar a Unidade de Transplantação com oito quartos de isolamento e uma área de tratamento de doentes leucémicos e hemato-oncológicos com 10 quartos de isolamento e 14 camas de enfermaria 

«A construção do serviço de hematologia integrado permitiu-nos concentrar toda a atividade clínica do internamento do Serviço de Hematologia constituindo uma melhoria relevante que se reflete num aumento de 30% na atual lotação do serviço, passando para 32 camas», destaca o diretor do Serviço de Hematologia Clínica, Fernando Príncipe.

Este aumento do número de camas irá processar-se de forma gradual, ajustando a atividade às necessidades identificadas, adianta o responsável.

O especialista calcula que com esta «melhoria infraestrutural» o serviço consolide anualmente o seu programa de transplantação (auto e alo) duplicando o número de alotransplantes, permitindo o desenvolvimento de quimioterapias intensivas e imunossupressoras para um maior número de doentes oncológicos, nomeadamente leucemias, linfomas Hodgkin e não-Hodgkin e mielomas múltiplos.

O CHSJ fica «dimensionado e com características únicas» para prestar um «serviço de excelência» na área da hemato-oncologia na região Norte, reforça o médico.  

19tm18L
02 de Maio de 2019
1918Pub5f19tm18L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

15.05.2019

Tempos de espera para cirurgias mais do que duplicaram

Quase 40% das consultas hospitalares a pedido dos cuidados de saúde primários (CSP) não foram realiz...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.