Hematologia do CHUSJ duplica capacidade de transplantes

por Teresa Mendes | 02.05.2019

Serviço passa a integrar unidade de transplantação e uma área de tratamento
O Serviço de Hematologia Clínica do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, aumentou a lotação e duplicou a capacidade de transplantes, após as obras para a concentração de toda a atividade clínica no mesmo espaço, informa aquela unidade hospitalar num comunicado.

O Serviço de Hematologia Clínica concentra-se agora no piso 8, após as obras de união das duas vertentes (tratamento e transplantação), que estavam divididas há dez anos, terem terminado na passada segunda-feira.

Esta empreitada, com uma duração de um ano, teve um custo de 2,1 milhões de euros e envolveu uma «intervenção mais abrangente e estruturante para todo o internamento central-sul do hospital», explica a nota à Imprensa divulgada esta terça-feira.

O novo serviço, com uma área de 870 metros quadrados, passa então a integrar a Unidade de Transplantação com oito quartos de isolamento e uma área de tratamento de doentes leucémicos e hemato-oncológicos com 10 quartos de isolamento e 14 camas de enfermaria.

O novo serviço, com uma área de 870 metros quadrados, passa a integrar a Unidade de Transplantação com oito quartos de isolamento e uma área de tratamento de doentes leucémicos e hemato-oncológicos com 10 quartos de isolamento e 14 camas de enfermaria 

«A construção do serviço de hematologia integrado permitiu-nos concentrar toda a atividade clínica do internamento do Serviço de Hematologia constituindo uma melhoria relevante que se reflete num aumento de 30% na atual lotação do serviço, passando para 32 camas», destaca o diretor do Serviço de Hematologia Clínica, Fernando Príncipe.

Este aumento do número de camas irá processar-se de forma gradual, ajustando a atividade às necessidades identificadas, adianta o responsável.

O especialista calcula que com esta «melhoria infraestrutural» o serviço consolide anualmente o seu programa de transplantação (auto e alo) duplicando o número de alotransplantes, permitindo o desenvolvimento de quimioterapias intensivas e imunossupressoras para um maior número de doentes oncológicos, nomeadamente leucemias, linfomas Hodgkin e não-Hodgkin e mielomas múltiplos.

O CHSJ fica «dimensionado e com características únicas» para prestar um «serviço de excelência» na área da hemato-oncologia na região Norte, reforça o médico.  

19tm18L
02 de Maio de 2019
1918Pub5f19tm18L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 26.02.2020

 OMS reconhece novo vírus como doença profissional

 A Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu uma diretiva onde sublinha que os profissionais de saúd...

26.02.2020

Entre janeiro e novembro de 2019 portugueses gastaram mais 2,8% na farmácia

Entre janeiro e novembro de 2019 os portugueses gastaram 669,8 milhões de euros em medicamentos nas...

por Teresa Mendes | 26.02.2020

 Tratamento para combater a malária mostrou eficácia contra o coronavírus

 O tratamento com cloroquina, geralmente utilizado para combater a malária, mostrou sinais de eficác...

por Teresa Mendes | 26.02.2020

 «Alimentação Saudável: Para Nós, Para o Planeta»

Vai realizar-se, no dia 13 de março, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, a 5.ª edição da Conferênci...

por Teresa Mendes | 25.02.2020

  Governo deixa cair projeto dos Sistemas de Apoio à Decisão Clínica

O projeto dos Sistemas de Apoio à Decisão Clínica (SADC), cujo protocolo de colaboração foi assinado...

por Teresa Mendes | 25.02.2020

Em 2020 vão ser criadas 30 USF e mais sete que estavam pendentes de 2019

Este ano serão constituídas 30 novas unidades de saúde familiar (USF) de modelo A.<br /> Além disso...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.