Mais de 2000 produtos alimentares com menos sal, açúcar e ácidos gordos

03.05.2019

Ministério da Saúde assina protocolos com sete associações 
Até 2022, mais de 2000 produtos alimentares, entre batatas-fritas, refrigerantes, cereais de pequeno almoço e leites com chocolate vão passar a conter menos açúcar, sal e ácidos gordos.
Para o efeito, o Ministério da Saúde assinou esta quinta-feira, em Lisboa, um protocolo com sete associações da indústria alimentar e distribuição.

Segundo uma nota publicada no Portal do SNS, os acordos preveem uma redução de 10% no teor de açúcar dos cereais de pequeno almoço, iogurtes, leites fermentados, leite com chocolate e refrigerantes e uma redução de 7% para os néctares de fruta.

«Pretende-se que as pessoas tenham acesso a alimentos saudáveis de uma forma mais facilitada», afirmou em declarações à Lusa a Secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte, explicando que os alimentos a reformular foram selecionados através dos inquéritos alimentares nacionais e com a Comissão Europeia.

Até 2022, mais de 2000 produtos alimentares, entre batatas-fritas, refrigerantes, cereais de pequeno almoço e leites com chocolate vão passar a conter menos açúcar, sal e ácidos gordos. Para o efeito, o Ministério da Saúde assinou um protocolo com sete associações da indústria alimentar e distribuição

Raquel Duarte adiantou igualmente que foram identificados «não só os alimentos que mais contribuem para a ingestão de açúcar, sal e ácidos gordos, mas também os que eram maioritariamente consumidos pelos grupos mais vulneráveis como crianças e adolescentes».

A secretária de Estado da Saúde acrescentou que a redução no teor de sal, que abrange batatas fritas e outros snacks, pão, cereais de pequeno almoço, sopas prontas, refeições prontas e pizzas, atinge os 10%, mas há valores específicos: «No sal pretende-se atingir um grama de sal por 100 gramas de pão e nos cereais de pequeno almoço os 10% de redução.»

A redução dos teores de ácidos gordos trans abrange as gorduras industriais utilizadas para o fabrico de produtos alimentares.

Os protocolos incluem a Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição e associações nacionais da indústria de laticínios, de comerciantes de produtos alimentares, a associação portuguesa de produtores de cereais, de óleos alimentares, margarinas e derivados, entre outras. 

19tm18o
03 de Maio de 2019
1918Pub6f19tm18o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Covid-19: SIM apresenta queixa à Provedoria de Justiça por discriminação do...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apresentou queixa à Provedora de Justiça contra o que diz...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

HGO: Médicos ameaçam demissão em bloco após afastamento do diretor de Obste...

Os médicos do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Garcia de Orta<br /> (HGO), em Almad...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

CEMP contra aumento de vagas nos cursos de medicina

Numa carta aberta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Escolas Médica...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Mais de 60% da população com níveis baixos de atividade física durante o co...

Durante o período de confinamento devido à pandemia de Covid-19, os portugueses praticaram menos ati...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.