Queixas sobre os serviços de saúde voltam a aumentar

por Teresa Mendes | 09.05.2019

Tempos de espera no local de atendimento são a principal reclamação
Em 2018, as queixas sobre os serviços de saúde aumentaram 20% face a 2017. A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) recebeu mais de 84 mil reclamações relativas a unidades de saúde públicas, privadas ou sociais, uma média de 230 por dia.

Estes números foram revelados, esta quarta-feira, pela presidente da ERS, Sofia Nogueira da Silva, aos deputados da Comissão Parlamentar de Saúde (CPS).
Apesar do aumento das queixas, também os elogios sobre os prestadores cresceram no ano passado.

Segundo dados oficiais enviados à agência Lusa, foram enviados à ERS mais de 11 mil elogios sobre unidades ou cuidados de saúde no ano passado, quando em 2017 tinham sido feitos cerca de nove mil, representando um crescimento de mais de 27%.

Em 2018, as queixas sobre os serviços de saúde aumentaram 20% face a 2017. A Entidade Reguladora da Saúde recebeu mais de 84 mil reclamações relativas a unidades de saúde públicas, privadas ou sociais, uma média de 230 por dia

Em termos totais, as queixas que em 2018 chegaram à ERS foram 84.363, quando em 2017 tinham sido recebidas 70.111, um aumento que já se verificou também entre 2016 e 2017.

Sofia Nogueira da Silva disse aos deputados que «o aumento muito significativo» das reclamações que se tem verificado entre 2015 e 2018, com um crescimento sistemático todos os anos, «pode ser efeito positivo de maior literacia e de maior conhecimento do direito de reclamar».

No entanto, a responsável admitiu igualmente que este aumento também pode decorrer de «mais problemas identificados ou maiores níveis de exigência».

Este ano, até agora, a reguladora recebeu já mais de 30 mil reclamações, o que leva a presidente da ERS a considerar que 2019 «não será muito diferente de 2018».
O aumento das queixas tem ocorrido em todos os setores, quer privados quer públicos, com os tempos de espera que os utentes aguardam nos locais para consultas ou exames a ser a área com mais queixas em todos os sectores.

Ou seja, tanto no setor privado como no público, os tempos de espera no local de atendimento são genericamente o principal tema das reclamações.

No caso dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) segue-se depois, em termos de peso das queixas, questões ligadas à humanização dos cuidados ou a focalização dos cuidados de saúde no doente.

19tm19o
09 de Maio de 2019
1919Pub5f19tm19o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.02.2020

Trabalho nas juntas médicas pode comprometer resposta ao coronavírus

Ordem dos Médicos, sindicatos e Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública estão preocupados c...

14.02.2020

Exportações em Saúde atingem um máximo histórico de 1,5 mil milhões de euro...

As exportações portuguesas em Saúde atingiram um novo recorde de cerca de 1,5 mil milhões de euros,...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Governo aprova nova PPP no Hospital de Cascais

O Bloco de Esquerda (BE) considera que a decisão do Governo de avançar para uma nova parceria públic...

por Teresa Mendes | 14.02.2020

 Gabinete de segurança para profissionais de saúde coordenado por oficial d...

Foi publicado esta quinta-feira o despacho que cria o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Com...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 VIII Congresso Científico ANL debate preocupações da Medicina Laboratorial

Vai decorrer, nos dias 29 e 30 de maio, no Centro de Congresso de S. Rafael, no Algarve, o VIII Cong...

por Teresa Mendes | 13.02.2020

 Enfarte do miocárdio atinge 15 mil portugueses todos os anos

Nas vésperas do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a Sociedade Por...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.