CHULN recupera capacidade de formar pneumologistas

10.05.2019

Carlos Martins diz que é «uma fantástica notícia»
 A Ordem dos Médicos (OM) devolveu o estatuto de formador da especialidade de Pneumologia aos hospitais de Santa Maria e de Pulido Valente (Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte – CHULN), após há um ano lhe ter sido retirada a formação nesta área. 

De acordo com uma carta enviada ao CHULN, a que a Lusa teve acesso, a OM dá «apreciação favorável ao restabelecimento do processo normal da formação da especialidade» de Pneumologia.

O mesmo documento diz que o processo de abertura de vagas para o internato de Pneumologia deve ser retomado, segundo as capacidades que ainda têm de ser definidas pelo colégio desta especialidade.

Recorde-se que o CHULN tinha perdido a capacidade formativa em Pneumologia para 2019, segundo o mapa de vagas de acesso à especialidade divulgado em meados de 2018, uma situação que foi inédita naquele centro, considerado a maior escola de Pneumologia de Portugal.

A perda de capacidade formativa deu-se na sequência de denúncias relativas a situações irregulares, como o caso de internos que estariam a fazer urgência sozinhos, sem tutela de um especialista.

A Ordem dos Médicos devolveu o estatuto de formador da especialidade de Pneumologia aos hospitais de Santa Maria e de Pulido Valente (CHLN), após há um ano lhe ter sido retirada a formação nesta área

Na carta enviada à administração do centro hospitalar, a OM entende que «foram resolvidas as questões relacionadas com o internato por parte do CHULN».

Contactado pela agência Lusa, o presidente da administração do CHULN, Carlos Martins, reagiu com entusiasmo à reposição da capacidade formativa na área da Pneumologia, considerando-a uma «fantástica notícia».

«Coloca-nos de novo a ter responsabilidades integrais na formação de especialistas de Pneumologia, honrando a história de décadas de sucesso do Hospital de Pulido Valente e a tradição universitária do Hospital de Santa Maria, ou seja, o trabalho de gerações de profissionais», disse Carlos Martins à Lusa.

19tm19t
10 de Maio de 2019
1919Pub6f19tm19t

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Governo autoriza abertura de mais 446 camas de cuidados continuados

 O Governo autorizou a abertura de mais 446 camas de cuidados continuados integrados, que podem come...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral 2019 está em discussão pública

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) colocou em discussão pública, até ao próximo dia 1 de agosto, o Prog...

por Teresa Mendes | 15.07.2019

 Apifarma lança «Prémio Cidadania em Saúde»

No âmbito das comemorações dos seus 80 anos, a Apifarma instituiu o «Prémio Cidadania em Saúde», que...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Foram aprovados mais do dobro de medicamentos inovadores no primeiro semes...

O Infarmed informou, esta quinta-feira, que no primeiro semestre de 2019 foram «concluídos 61 proces...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Saúde Mental é o «parente pobre da saúde em Portugal»

O Relatório de Primavera 2019, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS), considera que...

por Teresa Mendes | 12.07.2019

 Em Portugal «reina o mais profundo silêncio» sobre o VIH/Sida

Internacionalmente vive-se um período de entusiasmo e mobilização em torno do objetivo definido pelo...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.