OM quer saber, em detalhe, quais as causas para o aumento da mortalidade infantil

11.05.2019

Mortalidade infantil atingiu o valor mais alto dos últimos cinco anos 
O presidente do Colégio da Especialidade de Pediatria da Ordem dos Médicos (OM), Jorge Amil Dias, considera que que é preciso aprofundar as causas para o aumento da mortalidade infantil em 2018 - o valor mais alto dos últimos cinco anos -, analisando caso a caso.

No ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), morreram 281 crianças com menos de um ano, menos oito casos em relação ao que foi avançado provisoriamente pela Direção Geral da Saúde (DGS) no início do ano.

De qualquer forma, 2018 registou a maior taxa de mortalidade infantil dos últimos cinco anos.

Em declarações esta sexta-feira, à TSF, Jorge Amil Dias diz que não há razão para alarme, mas defende que é preciso compreender este aumento com rigor: «Há efetivamente uma pequena variação em relação aos números anteriores e faz todo o sentido que haja uma análise dessa variação, ver se há medidas a tomar.»

Recorde-se que o pediatra foi um dos consultores do grupo de trabalho criado pela DGS, em janeiro, para estudar a mortalidade infantil.
Dois meses depois, a Diretora-geral, Graça Freitas, revelou no Parlamento que os peritos não encontraram causas concretas que justifiquem o aumento, mas considerou que as condições socioeconómicas podem estar a ter consequências na saúde das mães e dos recém-nascidos.

«Falando em cerca de 280 casos é viável, individualmente, ter um panorama do que aconteceu», defende Jorge Amil Dias 

«Falando em cerca de 280 casos é viável, individualmente, ter um panorama do que aconteceu, se se identifica alguma alteração regional que necessite de atuação mais especifica, ver se a gravidade da doença foi desproporcionada em relação aos recursos existentes para tratar, se houve mais malformações etc.», acrescenta o responsável.

Enquanto consultor nomeado pelos serviços de saúde, o especialista continua à espera de ser chamado pela DGS para analisar as conclusões, já que «não houve ainda uma reunião de análise global do resultado final da avaliação, mas faz sentido que cada um dos grupos que participa na análise exprima as suas preocupações».

19tm19q
10 de Maio de 2019
1919Pub6f19tm19q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Melhoria do SNS «cabe a todos»

Melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais e aumentar a sua produtividade e reforçar o...

18.09.2019

Falta de medicamentos: Doentes alertam para «realidade assustadora»

Setenta associações de doentes enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a «realidade assustador...

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Curso de Atualização em Medicina Interna 2019 decorre de 18 a 23 de novemb...

Estão abertas as inscrições para o 2.º Curso de Atualização em Medicina Interna 2019, uma iniciativa...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Pelo menos 5 pessoas morrem a cada minuto devido a erros clínicos

No dia em que celebra o primeiro Dia Mundial para a Segurança do Doente (17 de setembro), a Organiza...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.