Portugal é o quarto país europeu com mais mortalidade materna

13.05.2019

Gravidezes tardias podem ser o principal motivo 
Em 2017, a taxa de mortalidade materna aumentou para níveis que já não se registavam desde 1991. Esta é uma realidade que, tal como a subida da mortalidade infantil, está a preocupar os profissionais de saúde.

Segundo dados revelados pelo Jornal de Notícias este domingo, Portugal é o quarto país europeu onde mais morrem mulheres grávidas ou durante o parto, ficando apenas atrás da Estónia (que, em 2016, tinha uma taxa de mortalidade materna de 14,2), da Hungria (11,5) e da Letónia (9,1).

Em 2017, registaram-se 10,4 óbitos maternos por cada 100 mil nados vivos em Portugal, dados que os médicos consideram preocupantes. Há mais de 25 anos que não morriam tantas mulheres na sequência do parto ou da gravidez, em Portugal.

O Colégio de Ginecologia e Obstetrícia da Ordem dos Médicos admite que os números possam ser ainda mais elevados e pede uma análise, caso a caso, tal como aquela que será feita ao nível da mortalidade infantil.

Ouvido pela TSF, Luís Graça, presidente da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal prefere não dramatizar estes números, mas sublinha a importância de estudar aquilo que está a acontecer.

«Isto pode significar apenas um aumento pontual e não propriamente uma tendência. O mais importante neste momento é tentar perceber quais são as causas adjacentes», refere.

Em 2017, a taxa de mortalidade materna aumentou para níveis que já não se registavam desde 1991. Esta é uma realidade que, tal como a subida da mortalidade infantil, está a preocupar os profissionais de saúde 

A Direção-Geral de Saúde promete analisar os dados com detalhe e adianta que o aumento da morte das mães pode estar associado às gravidezes tardias. Um argumento que é corroborado pelo especialista.

«Parece ser moda as mulheres terem filhos depois dos 40 anos. Obviamente que essa não é a idade ideal para as pessoas se reproduzirem e comporta riscos quer para a mãe quer para o feto», alerta Luís Graça.

Considerando que as complicações causadas pelas gravidezes tardias «não podem ser negligenciadas», o responsável defende a educação e sensibilização da população para que não espere até tão tarde para engravidar e comece a «ter filhos mais cedo».  

19tm20a
13 de Maio de 2019
1920Pub2f19tm20a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

15.05.2019

Tempos de espera para cirurgias mais do que duplicaram

Quase 40% das consultas hospitalares a pedido dos cuidados de saúde primários (CSP) não foram realiz...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.