Nova solução informática permite visão completa do percurso do utente

por Teresa Mendes | 15.05.2019

Projeto-piloto iniciado na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano
A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), em conjunto com a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, presidiu esta segunda-feira, na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano, à sessão de arranque de uma solução informática que permitirá conhecer todo o trajeto do utente no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e ultrapassar os constrangimentos dos atuais sistemas de informação.

Denominado RSE SIGA – Registo de Saúde Eletrónico no Sistema Integrado de Gestão do Acesso ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), trata-se de uma ferramenta informática com uma abordagem inovadora, uma vez que, segundo Ricardo Mestre, vogal da ACSS, «possibilita uma visão completa do percurso do utente no sistema, desde a identificação do problema de saúde, até à sua resolução».

Segundo Ricardo Mestre, vogal da ACSS, o Registo de Saúde Eletrónico no Sistema Integrado de Gestão do Acesso ao Serviço Nacional de Saúde «possibilita uma visão completa do percurso do utente no sistema, desde a identificação do problema de saúde, até à sua resolução» 

Recorde-se que o RSE SIGA, que agora será testado no projeto-piloto da ULS do Litoral Alentejano, «materializa o novo paradigma de gestão do acesso ao SNS que foi introduzido pelo SIGA SNS, regulado através da Portaria nº 147/2017, de 27 de abril», destaca um comunicado da ACSS.

O novo projeto tem como objetivo a obtenção de «um conhecimento global e completo sobre todo o trajeto dos utentes na área do acesso aos cuidados de saúde no SNS, nomeadamente nos cuidados de saúde primários, nas consultas hospitalares, nos meios complementares de diagnóstico e terapêutica, nas intervenções cirúrgicas, nos serviços de urgência e na rede nacional de cuidados continuados integrados».

A ACSS pretende igualmente «fortalecer a cultura de transparência, controlo e monitorização do acesso aos cuidados de saúde» e «contribuir para a melhoria dos tempos de resposta aos utentes, mediante o cumprimento integral dos Tempos Máximos de Resposta Garantidos (TMRG) e a adequada gestão das listas de inscritos para a prestação de cuidados de saúde no SNS, considerando a prioridade clínica de cada um».

O utente, através da Área do Cidadão, poderá acompanhe a evolução da resposta à sua situação, como marcação da consulta, de meios complementares de diagnóstico, marcação de cirurgia e acompanhar a evolução dos tempos de resposta, das listas de espera.

A Tutela prevê o alargamento deste projeto ao resto do país a partir de 2020. 

19tm20e
14 de Maio de 2019
1920Pub3f19tm20e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.02.2020

Mais de 13 mil médicos estão registados na PEM Móvel

No dia em que se assinala o primeiro ano de existência da Aplicação de Prescrição Eletrónica Médica...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 CHULC promove 5.º Curso Clínico de Autoimunidade

A Unidade de Doenças Autoimunes do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) vai rea...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 Parlamento aprova despenalização da eutanásia

O Parlamento aprovou esta quinta-feira na generalidade os cinco projetos para despenalização da mort...

20.02.2020

Falta de médicos é «problema antigo», diz diretor clínico do HSM

O diretor clínico do Hospital de Santa Maria (HSM), Luís Pinheiro, disse esta quarta-feira aos deput...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Médicos defendem o fim da tortura e negligência médica a Julian Assange

Numa carta publicada no início desta semana na revista The Lancet, um grupo de médicos de 18 países...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

 «Farmacovigilância – partilha de responsabilidade»

 No próximo dia 5 de março, o Infarmed promove uma sessão de Manhãs Informativas dedicada ao tema «F...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.