Tutela ordena inspeção sobre acusações de dados falseados em Cascais

15.05.2019

Grupo Lusíadas nega envolvimento da administração 
O Ministério da Saúde determinou a abertura de um processo de inspeção para esclarecer as acusações sobre dados falseados no Hospital de Cascais, gerido em parceria público-privada (PPP), com o objetivo de aumentar as receitas.

«Face às denúncias relatadas na reportagem da SIC, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, determinou à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo a abertura de um processo de inspeção de forma ao cabal esclarecimento destas matérias», indica uma resposta do Ministério da Saúde enviada esta terça-feira à agência Lusa.

A Tutela acrescenta que «acompanha em permanência a execução dos contratos-programa das PPP na Saúde, através da respetiva Administração Regional de Saúde (ARS), que procede a auditorias de forma sistemática, regular e permanente».

O Ministério da Saúde determinou a abertura de um processo de inspeção para esclarecer as acusações sobre dados falseados no Hospital de Cascais, gerido em parceria público-privada (PPP), com o objetivo de aumentar as receitas 

Em causa está a acusação da administração daquele hospital, por parte de um grupo de antigos e atuais profissionais do Hospital de Cascais, de falsear resultados clínicos e algoritmos do sistema de triagem da urgência para aumentar as receitas que são pagas àquela PPP.

Uma reportagem exibida na segunda-feira pela SIC relata a situação e adianta que a denúncia já chegou à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde e ao Ministério Público, que estão a analisar o caso.

Relatos de antigos e atuais funcionários recolhidos no âmbito da reportagem denunciam que eram impelidos a aligeirar sintomas ou o caso do doente, de forma a que os algoritmos da Triagem de Manchester dessem uma cor de pulseira verde em vez de amarela, por exemplo, para que os tempos máximos de espera não fossem ultrapassados.

Entretanto, o Grupo Lusíadas, que gere o Hospital de Cascais, negou esta terça-feira o envolvimento da administração do Hospital e indicou que será feita uma análise do relatado.  

19tm20j
15 de Maio de 2019
1920Pub4f19tm20j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Daniel Ferro nomeado presidente do CHULN

O ex-presidente da administração do Hospital Garcia de Orta, Daniel Ferro, vai liderar o conselho de...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 É ilegal recusar tratar doentes que não autorizam o tratamento de dados pe...

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considerou ilegal a recusa de prestação de cuidados...

16.05.2019

Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela En...

por Teresa Mendes | 16.05.2019

 Convenção Nacional da Saúde 2019 decorre a 18 de junho

 A edição de 2019 da Convenção Nacional de Saúde (CNS) vai ter lugar no próximo dia 18 de junho, no...

15.05.2019

Tempos de espera para cirurgias mais do que duplicaram

Quase 40% das consultas hospitalares a pedido dos cuidados de saúde primários (CSP) não foram realiz...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.