Dados de listas de espera envergonham o país, diz Ordem dos Médicos

16.05.2019

OM desafia Tutela a divulgar «plano de ação» 
A Ordem dos Médicos (OM) classificou esta quarta-feira como «desastrosos» os dados revelados pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS)que indicam um agravamento do incumprimento dos tempos de espera para consultas e cirurgias.

Considerando que a situação deve «envergonhar» o país, a OM desafiou ainda o Ministério da Saúde a divulgar o «plano de ação» para as listas de espera que tem anunciado, «mas que nunca precisou como tenciona executar».

«Estes resultados são desastrosos e devem envergonhar-nos enquanto país que ficou conhecido por ter um dos melhores serviços de saúde do mundo. Podíamos dizer que o SNS responde nos casos mais urgentes, como sugeriu a ministra da Saúde. Mas infelizmente já nem isso é totalmente verdade», sublinha o bastonário da OM, Miguel Guimarães, num comunicado.

A Ordem refere-se nomeadamente «a áreas mais sensíveis, como a Oncologia», considerando «os números desoladores», já que quase 20% das cirurgias a doentes com cancro foram feitas para além dos tempos de resposta clinicamente aceitáveis, sendo que é nas cirurgias oncológicas «muito prioritárias» que a percentagem de incumprimento dos tempos de resposta é maior.

«Estes resultados são desastrosos e devem envergonhar-nos enquanto país que ficou conhecido por ter um dos melhores serviços de saúde do mundo», sublinha o bastonário da OM, Miguel Guimarães 

«Não é mais possível continuarmos a compactuar com uma política de saúde que todos os dias contribui para enfraquecer o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e para colocar doentes e profissionais de saúde em situações de verdadeiro desespero», conclui o bastonário na nota à Imprensa.

Recorde-se que numa reação aos dados da ERS, o Ministério da Saúde garantiu, esta terça-feira, que está em curso um «plano de ação» para melhorar o acesso a cirurgias e consultas nos hospitais, sobretudo para as especialidades com mais doentes à espera e com tempos de espera superiores.

«As medidas vão incidir sobre as sete especialidades que, no final de 2018, tinham o maior volume de utentes à espera, os maiores tempos de espera e as maiores percentagens de resposta para além dos tempos máximos de resposta garantidos», referiu o gabinete da ministra da Saúde numa resposta escrita enviada à Lusa.

O Ministério salientou ainda que os dados de monitorização divulgados pela ERS são «parcelares» e que compreendem apenas o período entre janeiro e maio de 2018.  

19tm20o
16 de Maio de 2019
1920Pub4f19tm20o

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.