Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

21.05.2019

Criado consórcio com 22 entidades para combater o VIH 
 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o protocolo de criação do consórcio para implementar a estratégia uma «Cidade Sem Sida» até 2020, fixando como uma das metas que 90% dos infetados tenham tratamento, informa o Portal do SNS.

O protocolo foi assinado entre a autarquia, Direção-Geral da Saúde, Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, Centro Hospitalar Universitário de São João, Centro Hospitalar Universitário do Porto, Agência Piaget, ARRIMO – Organização Cooperativa para Desenvolvimento Social e Comunitário, Associação Farmácias de Portugal e Médicos do Mundo.

«As cidades subscritoras da Declaração de Paris, nas quais o Porto se inclui, propõe-se reduzir o estigma, atingindo a discriminação zero através do cumprimento das metas 90-90-90 por volta de 2020, isto é: 90% das pessoas que vivem com a infeção sabem que estão infetadas, 90% das pessoas que sabem que estão infetadas estejam em tratamento e 90% das pessoas que estão em tratamento tenham a infeção controlada», informou Rui Moreira, presidente da autarquia, citado pela agência Lusa.

A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o protocolo de criação do consórcio para implementar a estratégia uma «Cidade Sem Sida» até 2020, fixando como uma das metas que 90% dos infetados tenham tratamento 

Henrique de Barros, coordenador científico e técnico do «Plano de Ação da Estratégia Porto, Cidade Sem Sida», observou que, no Porto, «os valores do diagnóstico [da doença], por ano e por 100 mil habitantes, são quase o dobro da média nacional».

«Apesar do sucesso em alguns aspetos, como a diminuição imensa da infeção [pelo VIH/Sida] nas pessoas que utilizam drogas, Portugal e o Porto continuam a ser das comunidades com maior risco.

A infeção está a aumentar de forma muito marcada nos homens que fazem sexo com outros homens, em idades relativamente jovens», observou o especialista.
Para Henrique de Barros, «uma das razões» para este crescimento «é o facto de a sida se ter transformado numa espécie de doença semelhante a todas as outras, para a qual existe uma resposta terapêutica bastante eficaz».

De acordo com Henrique de Barros, no Porto a iniciativa vai apostar na «promoção do acesso ao teste do VIH».

O presidente da Câmara, Rui Moreira, identificou como «prioridade» a aposta «na prevenção da infeção, no diagnóstico precoce» e «na correta e atempada referenciação das pessoas diagnosticadas para que sejam adequadamente acompanhadas nos cuidados de saúde».

Carlos Nunes, presidente da ARS Norte, defendeu a necessidade da «afirmação da saúde em todas as políticas» e apontou a estratégia de combate local à sida como «um passo em frente na relação da administração central e regional» com as autarquias.
«Esta estratégia pretende facilitar o acesso aos objetivos através do trabalho conjunto», disse.

Subscreveram ainda o documento a Federação Académica do Porto, o Instituto Ricardo Jorge, a Abraço, a Misericórdia do Porto, a Universidade do Porto, o Instituto Politécnico do Porto e o Instituto Português do Desporto e Juventude, entre outras entidades.

19tm21f
21 de Maio de 2019
1921Pub3f19tm21f

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.