Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Carga horária excessiva foi o principal motivo apontado
A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar o trabalho com a vida familiar.

Essa percentagem desce para os 40% no caso dos clínicos que trabalham no setor privado, segundo um estudo publicado esta semana na Acta Médica Portuguesa, a revista científica da Ordem dos Médicos.

«Conciliação Trabalho-Família na Profissão Médica: Um Estudo Exploratório» é o título do trabalho liderado pelo psiquiatra Pedro Afonso, que reuniu uma amostra de 181 médicos sócios da Associação dos Médicos Católicos Portugueses.

A investigação revelou que «mais de metade dos inquiridos (56%) tinha uma carga horária superior à que considera danosa à sua conciliação trabalho-família, sendo que a grande maioria trabalhava no limite ou em excesso de carga horária».

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar o trabalho com a vida familiar

Os dados obtidos permitiram igualmente «associar maior carga horária com fazer urgências, com a idade e ser do sexo masculino».
Foi ainda observado que «maior carga horária não está associada a ter filhos ou ser casado», lê-se no estudo.

Os autores concluem que a profissão médica pelas suas características de exigência «coloca os médicos numa situação particular de risco para alcançarem uma adequada conciliação trabalho-família».

«Os resultados do nosso estudo apontam para uma insatisfação dessa conciliação, sendo que essa insatisfação é mais marcada no sector público, tendencialmente associada ao excesso de carga horária semanal», lê-se na conclusão do estudo, que pode ser lido na íntegra aqui.  

19tm21j
22 de Maio de 2019
1921Pub4f19tm21j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

 «Queremos que o hospital saia de portas»

O Governo quer alargar a hospitalização domiciliária a todos os hospitais do Serviço Nacional de Saú...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 1.ª Edição Hot Topics em Hepatologia

Vai decorrer, no dia 11 de outubro, na Ordem dos Médicos, em Vila Real, a 1.ª edição dos Hot Topics...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Ordem celebra 80 anos com coleção de fac-similadas de autores médicos

 A Ordem dos Médicos (OM) convida todos os profissionais a vir conhecer, na próxima segunda-feira, d...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Literacia em Saúde: DGS lança Manual para capacitação dos profissionais

No âmbito do Plano de Ação para a Literacia em Saúde 2019/2012, a Direção-Geral da Saúde (DGS) lanço...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

 Demitem-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta

Demitiram-se dez chefes de equipa de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, segundo a Socie...

por Teresa Mendes | 12.09.2019

 SPP recomenda aos médicos que reportem os casos suspeitos em Portugal

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) recomenda aos médicos que passem a comunicar os casos de...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.