Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Carga horária excessiva foi o principal motivo apontado
A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar o trabalho com a vida familiar.

Essa percentagem desce para os 40% no caso dos clínicos que trabalham no setor privado, segundo um estudo publicado esta semana na Acta Médica Portuguesa, a revista científica da Ordem dos Médicos.

«Conciliação Trabalho-Família na Profissão Médica: Um Estudo Exploratório» é o título do trabalho liderado pelo psiquiatra Pedro Afonso, que reuniu uma amostra de 181 médicos sócios da Associação dos Médicos Católicos Portugueses.

A investigação revelou que «mais de metade dos inquiridos (56%) tinha uma carga horária superior à que considera danosa à sua conciliação trabalho-família, sendo que a grande maioria trabalhava no limite ou em excesso de carga horária».

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar o trabalho com a vida familiar

Os dados obtidos permitiram igualmente «associar maior carga horária com fazer urgências, com a idade e ser do sexo masculino».
Foi ainda observado que «maior carga horária não está associada a ter filhos ou ser casado», lê-se no estudo.

Os autores concluem que a profissão médica pelas suas características de exigência «coloca os médicos numa situação particular de risco para alcançarem uma adequada conciliação trabalho-família».

«Os resultados do nosso estudo apontam para uma insatisfação dessa conciliação, sendo que essa insatisfação é mais marcada no sector público, tendencialmente associada ao excesso de carga horária semanal», lê-se na conclusão do estudo, que pode ser lido na íntegra aqui.  

19tm21j
22 de Maio de 2019
1921Pub4f19tm21j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

«Esperança» é a protagonista da nova campanha da Pulmonale

O cancro do pulmão é um dos tumores malignos que mais mata. Contudo, é também um dos que mais tem be...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 Portugal tem mais de 600 novos casos de diabetes por cada 100 mil habitant...

 Nos últimos três anos (2016 a 2018) continuou a verificar-se «um número muito elevado de novos caso...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 DGS cria Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) constituiu uma Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

Centro Hospitalar de Leiria dispõe de um novo Serviço de Reumatologia

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de um novo Serviço de Reumatologia, que visa a prestação...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 José Fragata diz que SNS está «à beira do abismo»

 O secretário de Estado da Saúde, António Sales, garantiu esta terça-feira, que a Saúde é «uma prior...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.