OMS reconhece «burnout» como doença

28.05.2019

Decisão vigorará a partir de janeiro de 2022 
A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta segunda-feira que passou a incluir na classificação internacional de doenças o «burnout», estado de esgotamento físico e mental causado pelo exercício de uma atividade profissional. A decisão vigorará a partir de janeiro de 2022. 

A entrada do «burnout» nesta lista da OMS tem como base as conclusões de peritos de saúde de todo o mundo e foi adotada pela Assembleia-Geral da organização, que termina esta terça-feira em Genebra, na Suíça.

«É a primeira vez que o “burnout” entra na classificação», afirmou aos jornalistas um porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic.

Nesta classificação internacional, que serve de base para as estatísticas de saúde, o «burnout» surge na secção consagrada aos «problemas associados» ao emprego e desemprego, sendo descrito como «uma síndrome resultante de stress crónico no trabalho que não foi gerido com êxito».

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou esta segunda-feira que passou a incluir na classificação internacional de doenças o «burnout», estado de esgotamento físico e mental causado pelo exercício de uma atividade profissional

Segundo a OMS, a doença caracteriza-se por «um sentimento de exaustão, cinismo ou sentimentos negativistas ligados ao trabalho e eficácia profissional reduzida».
 
19tm22e
28 de Maio de 2019
1922Pub3f19tm22e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Entregues galardões das 63.ª edição dos Prémios Pfizer

Os avanços nas áreas do autismo e do cancro da mama foram distinguidos na 63.ª edição dos Prémios Pf...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Ordem e sindicatos contra obrigatoriedade da permanência no setor público

O tema não é novo. No Programa do Governo já estava inscrita a «adoção de novos modelos de organizaç...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Cuidados continuados com melhor resposta em 2018

Em 2018 registou-se um reforço no número de lugares de internamento nos cuidados continuados, com um...

por Teresa Mendes | 18.11.2019

 Luís Filipe Macedo é o novo diretor do Programa para as Doenças Cérebro-ca...

Luís Filipe Macedo, assistente hospitalar graduado sénior em Cardiologia do Centro Hospitalar Univer...

15.11.2019

Existem enormes disparidades na disponibilização dos fármacos inovadores

Há hospitais portugueses que chegam a demorar até quatro meses a disponibilizar medicamentos inovado...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Lítio pode reverter os danos da radiação após o tratamento de tumores cere...

É sabido que as crianças que receberam radioterapia para um tumor cerebral podem vir a desenvolver p...

por Teresa Mendes | 15.11.2019

 Apifarma celebra 80 anos com a presença da ministra da Saúde

As associações Alzheimer Portugal, de Apoio aos Traumatizados Crânio-Encefálicos e Suas Famílias, de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.