Infraestruturas desadequadas e baixa literacia são uma barreira à telessaúde

por Teresa Mendes | 05.06.2019

«Barómetro da Adoção da Telessaúde no Sistema de Saúde»
A telessaúde é uma prioridade para os administradores hospitalares, desempenhando «um papel muito importante na monitorização remota de doentes crónicos» e na «colmatação da falta de resposta» das unidades de saúde. Contudo, as infraestruturas existentes desadequadas e a baixa literacia nesta área são uma barreira para que isso aconteça.

Estas são algumas das conclusões do primeiro «Barómetro da Adoção da Telessaúde e Inteligência Artificial no Sistema de Saúde», promovido pela Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), apresentado esta terça-feira, em Lisboa. 

O barómetro – que contou com a colaboração da Glintt – Global Intelligent Technologies, uma parceria da Escola Nacional de Saúde Pública e o apoio institucional dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde – disponibilizou um questionário online, entre 15 de abril e 6 de maio, a todos os profissionais a exercer funções de topo nas diversas entidades do sistema de saúde público e privado.

Das 36 respostas válidas, 24 foram de hospitais do Serviço Nacional de Saúde (o que representa 48% do universo dos hospitais do SNS).

A telessaúde é uma prioridade para os administradores hospitalares, desempenhando «um papel muito importante na monitorização remota de doentes crónicos» e na «colmatação da falta de resposta» das unidades de saúde

De acordo com os resultados, que o Público antecipou, «53% dos administradores consideram que a implementação da telessaúde é uma das prioridades da sua instituição», 96% referem «que ajuda a colmatar a falta de resposta» das unidades de saúde e ainda que o recurso a este sistema «promove uma melhor gestão da doença por parte dos doentes». Também para 96% dos administradores «a telessaúde desempenha um papel muito importante na monitorização remota de doentes crónicos».

O barómetro revela ainda que 87% dos hospitais do SNS que responderam ao inquérito têm pelo menos um projeto nesta área, sendo a maioria telerrastreios e teleconsulta.

Quanto a barreiras na adoção da telessaúde, as infraestruturas tecnológicas desadequadas representam 61% das respostas, seguindo-se a baixa literacia nesta área e a falta de motivação dos profissionais.

Já os projetos de inteligência artificial ainda não chegaram a metade das instituições de saúde em Portugal (apenas 47% das instituições afirmam ter projetos nesta área).

No top 3 dos projetos em fase piloto ou implementados estão iniciativas relacionadas com a transcrição de voz, agendamento de consultas ou cirurgias e interpretação de informação dos processos clínicos. 

Mais uma vez, a falta de infraestruturas adequadas é apontada como uma barreira, bem como a ausência de cientistas de dados.

19tm23g
04 de Junho de 2019
1923Pub3f19tm23g

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.