Todos os dias registam-se mais de 1 milhão de novas IST curáveis

por Teresa Mendes | 12.06.2019

«Estamos a assistir a uma falta de progresso preocupante», diz Peter Salama
Todos os dias registam-se mais de 1 milhão de novos casos de infeções sexualmente transmissíveis (IST) curáveis nas pessoas entre os 15 e os 49 anos, informou esta quinta-feira a Organização Mundial de Saúde num relatório.
Isto equivale a «mais de 376 milhões de novos casos anuais de clamídia, gonorreia, tricomoníase e sífilis».

«Estamos a assistir a uma falta de progresso preocupante no sentido de parar a transmissão de infeções sexualmente transmissíveis em todo o mundo», diz em comunicado Peter Salama, diretor executivo do Universal Health Coverage and Life-Course da OMS.

«Isto é um alerta para a necessidade de um esforço conjunto que garanta que todos, em todos os lugares, possam aceder aos serviços de que necessitam para prevenir e tratar estas doenças debilitantes», reforçou o responsável.


Publicado online no Boletim da OMS, a investigação mostra que entre homens e mulheres com idades entre os 15-49 anos, em 2016, registaram-se 127 milhões de novos casos de clamídia, 87 milhões de gonorreia, 6,3 milhões de sífilis e 156 milhões de tricomoníase .

A OMS alerta que estas IST «têm um impacto profundo na saúde de adultos e crianças em todo o mundo» e que «se não forem tratadas, podem ter consequências graves e crónicos, nomeadamente doenças neurológicas e cardiovasculares, infertilidade, gravidez ectópica, nados-mortos e aumento do risco de HIV». 

Só a sífilis causou cerca de 200.000 nados-mortos e mortes de recém-nascidos em 2016, tornando-se uma das principais causas da morte de bebés em todo o mundo.

Todos os dias registam-se mais de 1 milhão de novos casos de infeções sexualmente transmissíveis (IST) curáveis nas pessoas entre os 15 e os 49 anos, informou esta quinta-feira a Organização Mundial de Saúde num relatório

«As estimativas de prevalência e incidência em 2016 são semelhantes às de 2012, globalmente e por região, mostrando que as infeções sexualmente transmissíveis são persistentemente endémicas», destacam os autores do documento publicado pela OMS, acrescentando que «os dados de prevalência e incidência desempenham um papel importante na conceção e avaliação de programas e intervenções para IST e na interpretação de mudanças na epidemiologia do VIH».

A «ameaça global» de alguns casos de infeção por gonorreia que é resistente a todos os antibióticos «mostra a importância de investir na monitorização da prevalência e incidência» destas infeções.

Além disso, argumentam, há metas para redução do número de casos de IST até 2030, pelo que, «aumentar a prevenção, fazer mais testes, tratamentos e parcerias [com outras organizações] serão medidas necessárias para atingir esses objetivos».

O estudo pode ser lido aqui.

19tm24d
11 de Junho de 2019
1924Pub3f19tm24d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.02.2020

«Governo menospreza a negociação com os sindicatos médicos»

Os sindicatos médicos saíram esta segunda-feira desiludidos da primeira reunião negocial com a tutel...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

 Eutanásia «viola a relação médico-doente», reafirma Miguel Guimarães

A Ordem dos Médicos (OM) voltou esta segunda-feira a manifestar-se contra a prática da eutanásia, ar...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

Criada comissão para elaborar proposta para uma Lei da Saúde Pública

O Ministério da Saúde criou uma Comissão para elaborar uma proposta de Reforma da Saúde Pública e Su...

por Teresa Mendes | 18.02.2020

USF da Alta de Lisboa e Alto dos Moinhos concluídas dentro de ano e meio

A ministra da Saúde lançou esta segunda-feira a primeira pedra das novas unidades de saúde familiar...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Generalização do modelo USF? Sim, mas mantendo os critérios diferenciadore...

A Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar (USF-AN) diz-se satisfeita com a intenção do pr...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

 Utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44%

A utilização de medicamentos para o controlo da diabetes aumentou 44% entre 2009 e 2018. O consumo c...

por Teresa Mendes | 17.02.2020

1.º Congresso Internacional de Cuidados Continuados e Paliativos 

  O Centro de Estudos e Desenvolvimento de Cuidados Continuados e Paliativos (CEDCCP) da Faculdade d...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.