Oncologia do CHTV «atingiu o ponto de rutura»

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Faltam recursos humanos e instalações dignas 
O Serviço de Oncologia do Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV) está em rutura e a cirurgia oncológica naquela unidade também está em risco, alertaram esta terça-feira a Ordem dos Médicos e os dois sindicatos médicos.
Faltam recursos humanos e instalações dignas. 

Num comunicado conjunto, o Sindicato dos Médicos da Zona Centro, o Sindicato Independente dos Médicos e o Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos salientam que «a situação atingiu o ponto de rutura» e que «os oncologistas assumem a incapacidade de garantir a consulta e tratamentos de quimioterapia para novos doentes».

O Serviço de Oncologia é «altamente deficitário em recursos humanos e limitado por instalações físicas exíguas, indignas para o propósito que cumprem", lamentam os sindicatos e a Ordem dos Médicos.

De acordo com as três entidades, esta situação limite, «que já previsível desde há vários meses», levou a que «nas últimas semanas os doentes com necessidade de iniciar quimioterapia estejam em suspenso à espera de uma solução», advertindo que a quimioterapia «tem uma janela limite de eficácia».

Num comunicado conjunto, o Sindicato dos Médicos da Zona Centro, o Sindicato Independente dos Médicos e o Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos salientam que «a situação atingiu o ponto de rutura» e que «os oncologistas assumem a incapacidade de garantir a consulta e tratamentos de quimioterapia para novos doentes»

O comunicado informa ainda que os cirurgiões deste centro hospitalar assumiram já, perante a direção clínica, a sua «indisponibilidade para levar a cabo qualquer intervenção cirúrgica do foro oncológico que não cumpra estes pressupostos».

Os sindicatos e a Ordem dos Médicos sublinham que, para os doentes oncológicos, «muitos deles debilitados física e psicologicamente, uma solução que envolva múltiplas viagens para outra instituição é simplesmente incomportável».

«É responsabilidade do Ministério da Saúde assumir a condução deste assunto, de extrema gravidade, fruto da política de desinvestimento no SNS (Serviço Nacional de Saúde)», acrescentam os signatários, acrescentam.

Entretanto, também num comunicado, o conselho de administração do CHTV veio esclarecer que «tem vindo a ponderar, e a executar, medidas com vista a ultrapassar a carência de profissionais da área da Oncologia, minimizando eventuais transtornos para os doentes».

Neste âmbito, «recentemente e de forma imediata, foi possível proceder à contratação de um especialista em regime de prestação de serviços e assegurar a continuidade da colaboração de uma médica oncologista até final do ano, antevendo-se, desde já, a possibilidade de contratação futura».

O conselho de administração explica que «enquanto se encontra a decorrer o concurso de recrutamento de um especialista para Oncologia no CHTV, têm sido mantidos contactos com o IPO (Instituto Português de Oncologia) de Coimbra, com o objetivo de estabelecer uma parceria estratégia permanente ao nível dos recursos humanos altamente qualificados, e com oncologistas do Centro Hospitalar Trás-os-Montes e Alto Douro».

Comprometendo-se a «ultrapassar as atuais dificuldades», o conselho de administração enaltece o esforço que os médicos oncologistas têm feito «em prol do bem-estar dos doentes e da segurança e qualidade reconhecidas dos tratamentos ministrados».

19tm24e
12 de Junho de 2019
1924Pub4f19tm24e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.06.2019

ANEM acusa Marta Temido de «enorme distanciamento da realidade»

A Associação Nacional dos Estudantes de Medicina (ANEM) «condena veementemente», numa carta aberta,...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

Apifarma contra novas orientações para estudos de avaliação económica

A Apifarma está «veementemente» contra a proposta do Infarmed para alteração das Orientações Metodol...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 Taxas moderadoras nos centros de saúde vão acabar, mas de forma faseada

O fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser realizado de uma forma faseada, não entrand...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 «OSTEOGLUTIS» vence 3.ª Edição da Bolsa de Investigação em Mieloma Múltipl...

  «Tackling multiple myeloma by osteoblast cross regulation – OSTEOGLUTIS» é o nome do projeto vence...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

14 recomendações dos doentes para o SNS

A Convenção Nacional da Saúde (CNS), que juntou mais de 160 instituições do setor, nesta terça-feira...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

Campanha da DGS e IPDJ quer inspirar portugueses a praticar exercício físic...

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), com o apoio...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

USF modelo B passam a ter de fundamentar a aprovação da carga horária

O Ministério da Saúde quer combater as diferentes práticas e interpretações, em termos de horários d...

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.