«Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

por Teresa Mendes | 19.06.2019

CNS defende o interesse público, em detrimento da cor política 
«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imediatismos eleitorais ou interesses conjunturais.
Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem e defender o interesse público, que não tem cor política», defendeu a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos no encerramento da Convenção Nacional de Saúde (CNS), esta terça-feira, em Lisboa.

«O bem comum faz parte da defesa intransigente de princípios fundacionais da democracia e realiza-se na atitude de cada um de nós. Todos temos responsabilidades não apenas de identificar o que está mal, mas de apresentar soluções», reforçou Ana Paula Martins no discurso que apresentou as conclusões da CNS.

As cerca de 150 organizações de saúde alertam que Portugal tem ao nível da saúde um «sistema que não é amigo do cidadão», sublinhou ainda a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos. 

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imediatismos eleitorais ou interesses conjunturais», defendeu a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos no encerramento da Convenção Nacional de Saúde (CNS), esta terça- feira

«Os portugueses não podem ter listas de espera de anos por uma primeira consulta da especialidade ou cirurgia, não podem ter as enormes falhas de medicamentos que têm atualmente na nossa rede de farmácias, não podem esperar eternidades por tratamentos inovadores que podem fazer a diferença, não podem continuar a não ter cuidados continuados e paliativos para si e para os seus quando necessitam, que não só gera sofrimento e desesperança, mas sobrecarrega desnecessariamente as famílias e os cuidadores, exaustos e perdidos num sistema que não é amigo do cidadão», salientou a responsável.

Para Ana Paula Martins, que falou pelas cerca de 150 organizações de saúde, «gastamos energias vitais a discutir o acessório, os modelos de relacionamento entre os privados e o público, o espaço do sector de economia social, indiferentes à perplexidade e indiferença dos cidadãos perante temas que não percebem e sobretudo que nada acrescentam à sua vida quotidiana».  

19tm25k
19 de Junho de 2019
1925Pub4f19tm25k

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Covid-19: SIM apresenta queixa à Provedoria de Justiça por discriminação do...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apresentou queixa à Provedora de Justiça contra o que diz...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

CEMP contra aumento de vagas nos cursos de medicina

Numa carta aberta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Escolas Médica...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Mais de 60% da população com níveis baixos de atividade física durante o co...

Durante o período de confinamento devido à pandemia de Covid-19, os portugueses praticaram menos ati...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Este é o momento de contratar mais médicos e de recuperar as carreiras» 

«O nosso trabalho é salvar vidas, ajudar os portugueses e ajudar o país.»<br /> <br /> Foi desta f...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.