«OSTEOGLUTIS» vence 3.ª Edição da Bolsa de Investigação em Mieloma Múltiplo 

por Teresa Mendes | 24.06.2019

Projeto será apresentado no dia 26, em Lisboa 
  «Tackling multiple myeloma by osteoblast cross regulation – OSTEOGLUTIS» é o nome do projeto vencedor da 3.ª Edição da Bolsa de Investigação em Mieloma Múltiplo, que será apresentado na próxima quarta-feira, dia 26, no Lisbon Secret Spot, Montes Claros, pelas 18h00.

A Bolsa, uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Leucemia e da Sociedade Portuguesa de Hematologia, tem como objetivo assegurar tratamentos mais efetivos e/ou mais seguros que permitam aos doentes prevenir a progressão da doença e aumentar a sobrevivência geral e a qualidade de vida.

O projeto vencedor apresenta uma proposta com «uma nova metodologia para diferenciação na formação normal do tecido ósseo por meio das células osteoblastos e osteoclastos in vitro, sem recurso a manipulação genética, de células estaminais mesenquimais humanas derivadas de células estaminais pluripotentes induzidas», destaca uma nota à Imprensa 

«Esta metodologia será utilizada para investigar a regulação cruzada de células plasmáticas do mieloma múltiplo e osteoblastos, através da remodelação da atividade dos osteoblastos, fornecendo pistas para o desenvolvimento de novas terapias para o mieloma múltiplo (MM) baseadas em medicina regenerativa», acrescenta a informação.

O projeto vencedor apresenta «uma nova metodologia para diferenciação na formação normal do tecido ósseo por meio das células osteoblastos e osteoclastos in vitro, sem recurso a manipulação genética, de células estaminais mesenquimais humanas derivadas de células estaminais pluripotentes induzidas»

Este projeto será realizado no Instituto de Bioengenharia e Biociências (IBB) que é uma Unidade de Investigação do IST-UL.

Recorde-se que o MM representa 1% de todos os cancros diagnosticados e é ligeiramente mais frequente no homem (1,4 casos para cada ocorrência em mulheres) e a maioria dos casos acontece em indivíduos entre os 50 e os 70 anos. 
Atualmente, 68% dos doentes com MM encontram-se desempregados ou reformados.

Frequentemente, o acúmulo de plasmócitos cancerosos desenvolve-se em tumores dentro dos ossos, apesar de ter origem nas células sanguíneas, desta forma, «75% dos doentes apresenta lesões líticas, delimitadas, osteoporose ou fraturas.
Esta perda óssea dá-se frequentemente nos ossos pélvicos, coluna, costelas e crânio, o que leva ao aumento da taxa de mortalidade».

19tm26d
24 de Junho de 2019
1926Pub2f19tm26d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Covid-19: SIM apresenta queixa à Provedoria de Justiça por discriminação do...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) apresentou queixa à Provedora de Justiça contra o que diz...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

HGO: Médicos ameaçam demissão em bloco após afastamento do diretor de Obste...

Os médicos do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Garcia de Orta<br /> (HGO), em Almad...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

CEMP contra aumento de vagas nos cursos de medicina

Numa carta aberta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Conselho de Escolas Médica...

por Teresa Mendes | 01.06.2020

Mais de 60% da população com níveis baixos de atividade física durante o co...

Durante o período de confinamento devido à pandemia de Covid-19, os portugueses praticaram menos ati...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.