Canábis continua a ser a droga ilícita mais consumida na Europa

por Teresa Mendes | 27.06.2019

Dia contra o Abuso e Tráfico de Drogas 
«Há cada vez mais e mais diversificados produtos de canábis na Europa e é essencial que seja acompanhada de perto a sua potência e os potenciais efeitos para a saúde.» A conclusão é do novo relatório publicado esta quarta-feira pelo Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA), no âmbito do Dia Internacional Contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, assinalado a 26 de junho.

O relatório — Desenvolvimentos no mercado europeu da canábis — apresenta uma panorâmica dos produtos de canábis emergentes e tradicionais na Europa e identifica uma série de fatores por detrás da atual diversidade de produtos de canábis, incluindo desenvolvimentos nas políticas, avanços nas técnicas de produção e extração, e mudanças nas preferências dos consumidores. 

«A criação de mercados legais de canábis recreativa fora da UE é também apontada como impulsionadora da inovação no desenvolvimento de novos produtos de canábis, alguns dos quais estão agora a aparecer no mercado europeu», destaca um comunicado da Agência da União Europeia de Informação sobre Droga.

Segundo o diretor do Observatório, Alexis Goosdeel, citado na nota à Imprensa, «a natureza dinâmica do atual mercado de canábis e a diversificação dos produtos de canábis disponíveis trazem desafios consideráveis», considerando que «produtos de canábis novos e mais potentes podem ter sérias consequências para a saúde pública dos consumidores».

«Há cada vez mais e mais diversificados produtos de canábis na Europa e é essencial que seja acompanhada de perto a sua potência e os potenciais efeitos para a saúde.» A conclusão é do novo relatório do Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA)

De acordo com o documento, a canábis continua a ser a droga ilícita mais consumida na Europa. 

Estima-se que cerca de 17,5 milhões de jovens europeus (15–34 anos) tenham consumido canábis no último ano (UE-28). Estima-se também que cerca de 1% dos adultos (15–64 anos) na UE consumam canábis diariamente ou quase diariamente. 

Em 2017, cerca de 155 000 pessoas iniciaram na Europa tratamento devido a problemas relacionados com o consumo desta droga, das quais cerca de 83 000 iniciaram tratamento pela primeira vez. 

Atualmente, a canábis é a substância indicada com mais frequência pelos novos utentes dos serviços especializados de tratamento da toxicodependência como o principal motivo para procurarem ajuda.

O relatório pode ser lido na íntegra, aqui.

19tm26p
27 de Junho de 2019
1926Pub5f19tm26p

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.11.2019

«A maior urgência do país não pode fechar», diz bastonário

Após uma visita esta quarta-feira ao hospital de Santa Maria, o bastonário da Ordem dos Médicos (OM)...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

Infarmed alarga leque de fármacos com limitações à exportação

O Infarmed atualizou esta quarta-feira a lista de medicamentos abrangidos pela notificação prévia de...

por Teresa Mendes | 14.11.2019

 DGS cria Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis (IST)

A Direção-Geral da Saúde (DGS) constituiu uma Task-Force para as Infeções Sexualmente Transmissíveis...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

Centro Hospitalar de Leiria dispõe de um novo Serviço de Reumatologia

O Centro Hospitalar de Leiria (CHL) dispõe de um novo Serviço de Reumatologia, que visa a prestação...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 «Quando a cabeça não tem juízo» é mote de campanha nacional contra a diabe...

«Quando a cabeça não tem juízo» é o tema da campanha digital que vai ser lançada esta quinta-feira e...

por Teresa Mendes | 13.11.2019

 José Fragata diz que SNS está «à beira do abismo»

 O secretário de Estado da Saúde, António Sales, garantiu esta terça-feira, que a Saúde é «uma prior...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.