Dívida dos hospitais aos laboratórios continua a crescer

por Teresa Mendes | 01.07.2019

Governo injeta mais 152 milhões de euros extraordinários para pagar dívidas
A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à indústria farmacêutica voltou a subir em maio, situando-se nos 859 milhões de euros negativos, mais 7,5% do que em abril (mais 60,3 milhões de euros).

A dívida vencida também subiu, registando um valor de 583,2 milhões de euros, mais 10,2% (mais 54,0 milhões de euros) do que no mês anterior. 

A informação, que consta do mais recente relatório do Núcleo de Estudos e Análise da Apifarma, publicado esta sexta-feira, surge no mesmo dia em que o Governo anunciou a injeção de «forma extraordinária» mais 152 milhões de euros nos hospitais do SNS para redução dos pagamentos em atraso.

Em declarações à Lusa, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, informou que esta verba faz parte de um reforço global de 445 milhões de euros este ano nos hospitais, que visa contribuir para «a redução dos pagamentos em atrasos em 2019 e chegar ao fim do ano a zero ou muito próximo de zero».

«Estamos a falar de um crescimento do orçamento do Serviço Nacional de Saúde de 600 milhões de euros em relação a 2018», disse, adiantando que ao longo do primeiro semestre esse orçamento foi reforçado em 445 milhões de euros, 280 milhões decididos em fevereiro e 152 milhões decididos e executados esta semana.

A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à indústria farmacêutica voltou a subir em maio, situando-se nos 859 milhões de euros negativos, mais 7,5% do que em abril (mais 60,3 milhões de euros). A dívida vencida também subiu, registando um valor de 583,2 milhões de euros, mais 10,2% (mais 54,0 milhões de euros) do que no mês anterior

Relativamente ao primeiro reforço extraordinário de 280 milhões de euros para os hospitais regularizarem as dívidas, Francisco Ramos disse que ainda está a ser executado, tendo cerca de 90 milhões de euros chegado esta semana aos hospitais.

A esse reforço acrescem agora os 152 milhões de euros que foram transferidos na quinta-feira para alguns hospitais, adiantou.

O governante avançou que os ministérios da Saúde e das Finanças estão a trabalha no sentido de haver «mais algum reforço financeiro, nomeadamente dos hospitais para prosseguir o esforço de redução da dívida».
Os ministérios das Saúde e das Finanças comentaram em comunicado que esta é uma medida de «grande alcance» para reforçar a situação financeira do SNS.

19tm27c
01 de Julho de 2019
1927Pub2f19tm27c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 11.12.2019

3.º Fórum do Conselho Nacional de Saúde decorre a 16 de dezembro

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) organiza, no próximo dia 16 de dezembro, no Auditório António de...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Ordem lamenta que ministra esconda realidade do Algarve

Em resposta às declarações da ministra da Saúde, que na passada sexta-feira disse, na sequência dos...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Risco de queda passa a ser avaliado em todos os doentes internados

Por proposta conjunta do Departamento da Qualidade na Saúde, da Ordem dos Médicos e da Ordem dos Enf...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

Suplemento devido desde 2009 às autoridades de saúde do país nunca foi pago

Há 10 anos que os médicos que exercem o poder de autoridade de saúde deveriam estar a receber um sup...

por Teresa Mendes | 10.12.2019

 Instituto Ricardo Jorge celebra 120 anos

No próximo dia 17 de dezembro, assinala-se o Dia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge...

por Teresa Mendes | 09.12.2019

Afinal, a cesariana não aumenta o risco de obesidade na criança

As crianças nascidas através de cesariana não têm, afinal, uma probabilidade aumentada de virem a de...

por Teresa Mendes | 09.12.2019

Idoneidade e capacidades formativas: Grupo de trabalho vai criar manual com...

O Ministério da Saúde decidiu criar um grupo de trabalho para a elaboração de um manual de regras e...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.