Afinal, maternidades de Lisboa vão manter-se todas em funcionamento

por Teresa Mendes | 05.07.2019

ARSLVT diz que medida é possível graças a reforço da contratação
Afinal, o encerramento rotativo das maternidades de Lisboa de 15 de julho a 30 de setembro já não vai acontecer.
Num comunicado, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) garante que «será possível manter-se a solução de anos transatos, isto é, o funcionamento da referenciação para qualquer um dos serviços de urgência ginecológica e obstétrica».

Na nota à Imprensa, divulgada esta quinta-feira, a ARSLVT agradece «as disponibilidades das equipas» para chegar a esta solução, informando ainda que para o efeito também foi reforçada «a contratação de serviços médicos não só nas especialidades de Ginecologia/Obstetrícia, mas também nas de Pediatria e Anestesiologia».

Adicionalmente, as direções clínicas e direções de serviço de urgência das cinco unidades de saúde «vão articular semanalmente a necessária afetação de recursos, para que, em cada momento, se possam antecipar eventuais fragilidades decorrentes deste período», esclarece a ARSLVT.

Num comunicado, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) garante que «será possível manter-se a solução de anos transatos, isto é, o funcionamento da referenciação para qualquer um dos serviços de urgência ginecológica e obstétrica» 

Entretanto, numa conferência de Imprensa, o presidente da ARSLVT, Luís Pisco, reforçou que «não haverá rotatividade» no atendimento a grávidas das maternidades Alfredo da Costa, Santa Maria, São Francisco Xavier e Amadora-Sintra.

«Tínhamos dito que era uma solução em cima da mesa, dissemo-lo reiteradamente e, de facto, chegámos à conclusão de que seria preferível não o fazer e arranjar uma outra solução», explicou o responsável
Luís Pisco informou também que haverá um reforço de meios, através da contratação externa de pessoal para os serviços de Obstetrícia dos hospitais da zona de Lisboa, que deverá ser conhecido a 22 de julho.

«A única certeza é que teremos as quatro maternidades de Lisboa e a do Garcia de Orta [em Almada] a funcionar como habitualmente.
Todas as pessoas poderão ficar tranquilas sobre a qualidade e segurança do serviço que será prestado», garantiu o responsável.

19tm27q
05 de Julho de 2019
1927Pub6f19tm27q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

20.02.2020

Falta de médicos é «problema antigo», diz diretor clínico do HSM

O diretor clínico do Hospital de Santa Maria (HSM), Luís Pinheiro, disse esta quarta-feira aos deput...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Médicos defendem o fim da tortura e negligência médica a Julian Assange

Numa carta publicada no início desta semana na revista The Lancet, um grupo de médicos de 18 países...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

 «Farmacovigilância – partilha de responsabilidade»

 No próximo dia 5 de março, o Infarmed promove uma sessão de Manhãs Informativas dedicada ao tema «F...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Calendário de visitas ao património cultural do CHULC

O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) divulgou o calendário das visitas guiada...

por Teresa Mendes | 19.02.2020

Prevalência da demência em Portugal mais do que duplicará até 2050

O número de pessoas com demência em Portugal em 2050 irá atingir os 3,82% da população, o que será m...

por Teresa Mendes | 19.02.2020

 Todos os países do mundo estão a falhar proteção da saúde das crianças

Não há nenhum país do mundo que esteja a proteger de forma adequada a saúde das crianças, o seu ambi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.